Esta designer com síndrome de down criou um manual de diagramação para livros acessíveis

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

A importância dos livros em nossas vidas é e deve ser tamanha que eles não podem estar restritos somente às pessoas que não enfrentam qualquer dificuldade para conseguir os ler. Seja por questões motoras, intelectuais ou visuais, o fato é que os leitores com necessidades especiais precisam ser contemplados pelas editoras na hora de fabricarem seus livros – e essa é a premissa do Guia de diagramação para um livro acessível, da designer gaúcha Fernanda Schaker.

Um dos destaques do III Fórum Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social realizado na Feira do Livro de Porto Alegre, Fernanda – que é ela própria portadora de Síndrome de Down – explica o que se pode fazer para para transformar os livros em objetos mais acessíveis, e como a produção editorial pode incluir aqueles que possuem necessidades especiais.

Designer e seu livro

E os exemplos são diversos: pensar a gramatura do papel para que ele não se danifique caso precise ser manipulado por uma ferramenta especial, um clipe de arame que possa manter o livro aberto, a escolha da fonte, dos padrões de alinhamento e os limites do texto melhores aplicados para ajudar alguém com dificuldades visuais, e muito mais.

Fórum do Livro

O livro possui ainda uma espécie de sobrecapa, que possibilita que ele fique apoiado de pé, numa inclinação de 20º.

Exemplo do livro e a sua inclinação de 20 graus.

A publicação ainda não possui editora, e nasceu do mais sincero e nobre sentimento: a autora gostaria de, através do amor que ela própria possui pelos livros, ajudar outras pessoas. E foi para isso que ela cursou design gráfico: para criar o guia, e tornar o livro algo ainda mais libertador, para mais pessoas, que poderão, através de suas páginas especiais, superar qualquer limite.

© fotos: divulgação

Matería publicada originalmente em Hypeness

Hypeness

Explore mais

Sintomas

Fadiga: 9 dicas para você se sentir melhor

De acordo com a National Multiple Sclerosis Society (NMSS), cerca de 80 por cento das pessoas diagnosticadas com Esclerose Múltipla sentirão fadiga em algum momento