AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

EM não é uma sentença à cadeira de rodas

EM não é uma sentença à cadeira de rodas

Avanços no diagnóstico e tratamentos da esclerose múltipla tem dado um novo rumo a primeira impressão sobre a doença. O primeiro congresso sobre EM contou com a presença de Rafael Arroyo e mal foi capaz de reunir 80 especialistas. Nos anos 90 pouco se sabia sobre a doença para a qual não havia tratamento disponível ou referências e esperanças. “O último congresso realizado, no entanto, atraiu cerca de 7.400 pessoas” e abordou uma ampla gama de formas terapêuticas, diagnósticos e novos rumos de  investigação. São descobertas realmente novas, mas que “refletem a enorme evolução da doença em cerca de duas décadas”, resume Arroyo, coordenador da Unidade do Hospital Universitário San Carlos de Madrid. Concordando com este ponto de vista, Xavier Montalbán, que dirige o Centro de Esclerose Múltipla da Catalunha (Cemcat) e que também viveu a realidade da esclerose múltipla em primeira mão, expandindo o conhecimento da doença, e os critérios diagnósticos e alternativas terapêuticas que “não ocorreram em qualquer outra área de neurologia.” ambos os especialistas utilizam os mesmos termos para definir a mudança. Graças à investigação, destacou, “conseguiu-se modificar a história natural da doença.”

A esclerose múltipla é uma doença grave, uma das principais causas de incapacidade entre a população jovem, mas o progresso tem permitido mudar radicalmente a vida dos pacientes, e “a cadeira de rodas não é o caminho para a maioria dos pacientes”, diz Esther Moral, coordenadora do Grupo de Estudos de Doenças Desmielinizantes da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN) e Chefe do Serviço de Neurologia do Hospital de Sant Joan Despi Moisès Broggi (Barcelona).

Os três especialistas concordam que a chave para a mudança foi a descoberta, por acaso, da utilidade do interferon beta para controlar esta doença que afeta cerca de 50.000 pessoas na Espanha. A sua adoção, em 1993, não foi impulsionada apenas pelo tratamento do transtorno, mas também conquistou o conhecimento dos vários aspectos da doença, como genética, imunologia, patologia, anatomia e diagnóstico precoce. “No princípio levavasse anos para diagnosticar a doença. Agora diagnosticamos em horas.”, exemplifica Montalbán, que recentemente participou do Terceiro Encontro de Múltiplecelebrado Esclerose sede Editorial em Madrid Unit patrocinado pela Biogen Idec e da participação do mundo, Medical Journal e Yo Dona.

Como revelado na reunião, há ampla evidência para mostrar que o diagnóstico precoce associado a uma terapia utilizada nos estágios iniciais é associado a um melhor resultado do trastorno. Mas, apesar do progresso, todos os especialistas concordam que existem desafios significativos para o futuro. O primeiro deles acontece na escolha da terapia personalizada para cada paciente. O desafio é muito complicado, a esclerose múltipla, conhecida como a doença de mil faces, tem sinais e evolução muito heterogêneos. A condição gradualmente destrói a mielina, a substância que cobre os nervos e pode afetar qualquer parte do sistema nervoso. Portanto, não dá se apresenta da mesma forma. Em alguns pacientes apresentam uma perda de força nos membros, mas outros sofrem distúrbios visuais, distúrbios sensoriais, diminuição do equilíbrio, e uma longa lista de complicações. “Nesse sentido, um dos principais desafios é encontrar biomarcadores específicos para empregar terapias que melhor se adequam a cada paciente”, diz Arroyo. Também é essencial conhecer melhor as formas de controle e avanços da doença. “A esclerose múltipla se referencia a dois fenômenos, um inflamatório e outro degenerativo. A maior parte dos avanços se concentram no controle do primeiro, e agora temos de concentrar esforços em compreender melhor os mecanismos específicos de degeneração e terapias de design para bloqueá-la”, disse Montalban, que também é chefe de Neurologia no Hospital Universitário Vall d’Hebron (Barcelona). Ester Moral enfatiza que, para tratar adequadamente um futuro de esperança para a doença, é necessário fazer uso de recursos que estão cada vez mais escassos. “Os cortes têm um impacto negativo sobre a investigação”, diz o neurologista, que também denuncia “os obstáculos administrativos que encontramos ao prescrever certos medicamentos que são (neuroprotetores, anticorpos, imunomoduladores, monoclonais) caros, mas muito úteis”. Enquanto isso, Arroyo lembrou que gastar dinheiro com esclerose múltipla não é uma despesa, mas um “investimento”, e que esses recursos irão resultar em uma maior autonomia do paciente, uma melhor qualidade de vida e maior integração na vida diária.

Ele explica que em breve vai se juntar às duas novas drogas orais e um anticorpo monoclonal que oferecem “boas perspectivas” para enfrentar a doença. “O futuro da EM é extremamente interessante”, disse Arroyo, que defende “ser melhor investir os recursos disponíveis”, e que nenhuma das opções de tratamento disponíveis está além do escopo de pacientes. Nesse aspecto, e com o objetivo de promover o uso mais eficiente possível do arsenal terapêutico, o consenso do Grupo da Sociedade Espanhola de Neurologia elaborou recentemente um documento sobre as diretrizes de tratamento que têm mais apoio científico nas diferentes formas de EM (recidivante remitente, secundária progressiva, progressiva primária, etc.)

 

elmundo.es. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta