AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

ENTRE EM CONTATO [email protected]
LIGUE (11) 3181-8266

Dieta rica em vegetais e outras intervenções podem ajudar a reduzir a fadiga na esclerose múltipla progressiva, sugere estudo

Dieta rica em vegetais e outras intervenções podem ajudar a reduzir a fadiga na esclerose múltipla progressiva, sugere estudo

Um ano de dieta rica em vegetais – combinado com exercícios, estimulação neuromuscular e técnicas de redução de estresse – se mostrou eficaz em aliviar a fadiga em pessoas com esclerose múltipla progressiva (EM).

Pesquisadores dizem que os resultados podem estar ligados a mudanças nos níveis de gordura no sangue, em particular o colesterol.

Essa intervenção integrativa levou a um aumento das lipoproteínas de alta densidade (HDLs), ou colesterol “bom” – e uma queda nos triglicérides e nas lipoproteínas de baixa densidade (LDLs ), conhecida como colesterol “ruim”.

Se confirmada em estudos maiores, a triagem desses biomarcadores de gordura (lipídios) pode ser útil para orientar as decisões de tratamento direcionadas à fadiga em pessoas com EM, mostra um estudo.

O estudo, ” Perfil lipídico está associado à diminuição da fadiga em indivíduos com esclerose múltipla progressiva após uma intervenção baseada na dieta: Resultados de um estudo piloto “, foi publicado na revista PLOS ONE .

Estudos anteriores sugeriram que o alto conteúdo lipídico no sangue pode ter um impacto negativo sobre os resultados das pessoas com esclerose múltipla, contribuindo para o aumento da inflamação e incapacidade.

O colesterol é essencial para o bom funcionamento das células, e para a produção de hormônios e vitaminas importantes, bem como ácidos biliares necessários à digestão. Pode ser produzido pelo fígado ou obtido em alimentos, como carne e laticínios. No corpo, o colesterol é distribuído através de vários componentes, ou seja, LDL, HDL e VLDL (lipoproteína de densidade muito baixa).

O LDL é frequentemente chamado de colesterol “ruim” porque pode se acumular nas paredes das artérias, aumentando o risco de doenças cardíacas. Por outro lado, o HDL é conhecido como o colesterol “bom” porque transporta as lipoproteínas de outras partes do corpo de volta para o fígado para serem removidas. Isso impede que o colesterol se acumule nas artérias.

Agora, uma equipe da Universidade de Iowa  conduziu um teste piloto ( NCT01381354 ) para investigar se um ano de uma intervenção baseada no estilo de vida poderia aliviar significativamente a fadiga e melhorar a caminhada, equilíbrio e qualidade de vida em pessoas com EM progressiva primária ou  secundária. .

O estudo aplicou uma intervenção multimodal centrada em uma dieta rica em vegetais, que incluía proteína animal e vegetal. Excluiu alimentos com maior risco de alergia, como grãos contendo glúten, laticínios e ovos. Os participantes também foram solicitados a realizar técnicas de redução de estresse, incluindo meditação e automassagem, além de exercícios de alongamento e fortalecimento e estimulação elétrica neuromuscular.

Os pesquisadores mediram o índice de massa corporal (IMC, um indicador de gordura corporal) e verificaram os níveis de lipídios no sangue – incluindo colesterol total, HDL, LDL e triglicerídeos – em 18 participantes com esclerose múltipla progressiva primária ou secundária. A fadiga foi medida usando a Escala de Severidade de Fadiga (FSS).

Depois de completar um ano do programa baseado em dieta, os escores de fadiga diminuíram significativamente entre os participantes, de um escore médio inicial de 5,51 para 2,48 em 12 meses, o que está de acordo com os dados de estudos anteriores. É importante ressaltar que as reduções de fadiga foram acompanhadas por aumentos significativos no colesterol HDL, juntamente com uma redução nos níveis de LDL, triglicerídeos e IMC.

Além disso, as alterações no colesterol total – que compreende HDL, LDL e VLDL – e apenas no HDL, foram associadas a uma redução na fadiga ao longo desses 12 meses.

“A dieta modula o perfil lipídico, que por sua vez influencia o processo da doença e a função muscular, resultando em benefícios na fadiga da EM”, disseram os pesquisadores.

Os resultados do estudo “são consistentes com a possibilidade de que os biomarcadores do perfil lipídico, particularmente o colesterol total e o colesterol HDL, possam contribuir para a melhoria da fadiga da EM”, disseram eles.

Os pesquisadores observaram que as opções farmacológicas para o tratamento da fadiga associada à EM são limitadas. Embora as pessoas com esclerose múltipla sejam frequentemente receitadas com as drogas anti fadiga têm atividade estimulante e são frequentemente associadas a efeitos colaterais.

“Esses resultados exigem confirmação, dadas as limitações do desenho do estudo piloto atual, que incluem o pequeno tamanho da amostra, a falta de grupo controle e a randomização”, disseram os pesquisadores. “No entanto, se confirmada em estudos maiores, a monitoração lipídica pode se tornar útil para orientar as decisões de tratamento da fadiga”.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today: http://bit.ly/2RLzwmp – Traduzido e adaptado redação AME

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS