Destaques de pesquisa de EM no ECTRIMS 2021

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

No mês de outubro, a comunidade de pesquisa em Esclerose Múltipla (EM) se reuniu virtualmente para o ECTRIMS – a maior conferência internacional anual sobre ciência básica e clínica de EM. Aqui estão alguns destaques.

“A tecnologia tem um potencial incrível para o avanço dos cuidados com a EM”

Dra. Clare Walton, chefe de pesquisa

“Fiquei animado em saber que dispositivos inteligentes como telefones, relógios e Fitbits podem rastrear mudanças sutis no comportamento que podem acontecer conforme a EM piora. Muitos sensores e aplicativos promissores foram desenvolvidos e alguns já estão em testes clínicos.

“Essas tecnologias são particularmente estimulantes para a EM por causa de como as pessoas vivenciam a EM de maneira diferente a cada dia e ao longo do tempo. A imprevisibilidade da EM torna mais difícil para os médicos ver como a condição de alguém está mudando e prever como ela pode mudar no futuro.

“Precisamos de mais pesquisas sobre essas ferramentas antes que se tornem uma parte rotineira do tratamento clínico. O desafio é descobrir quais sensores e aplicativos são mais sensíveis e precisos para detectar mudanças relevantes e quais pessoas com EM desejam usar. Incrivelmente, os palestrantes esperavam que essa tecnologia pudesse chegar às clínicas nos próximos anos ”.

“Precisamos de métodos mais sensíveis de teste de deficiência em pessoas com EM”

 Dra. Katie Askew, Oficial de Pesquisa

“A escala expandida de status de deficiência (EDSS) é uma forma de medir o quanto uma pessoa é afetada por sua EM. Uma pontuação de 0 é classificada como ‘normal’. Mas, usando testes mais sofisticados de movimento e equilíbrio da parte superior do corpo, o neurologista de Nova York, Dr. Stephen Krieger, nos mostrou que os problemas cognitivos e de movimento podem estar presentes mesmo em pessoas com pontuação 0 no EDSS”.

“Precisamos encontrar formas mais sensíveis de testar a deficiência em pessoas com EM, para que possamos ter certeza de que as pessoas receberão a ajuda de que precisam no momento certo. E assim podemos melhorar a previsão de como a EM de alguém pode afetá-la no futuro. ”

“Manter as células jovens é importante para o reparo da mielina”

Katie Haylor, Diretora de Comunicação de Pesquisa

 “Para parar a EM, uma das principais coisas que precisamos fazer é promover ou aumentar o reparo da mielina. No ano passado, pesquisadores do MS Society Cambridge Center for Myelin Repair mostraram que uma droga chamada bexaroteno pode reparar a mielina em pessoas com EM. Infelizmente, porém, o bexaroteno tinha muitos efeitos colaterais para ser levado adiante.

“Já sabemos que, em camundongos e ratos, a capacidade natural de reparar a mielina diminui à medida que envelhecem. Então, agora, os pesquisadores usaram dados do ensaio para ver se o reparo da mielina em pessoas, impulsionado por uma droga, também pode depender da idade.

“O Dr. Chris McMurran explicou que eles encontraram evidências de que o bexaroteno aumentou mais a reparação da mielina nos cérebros de pessoas mais jovens (até o início dos 40 anos). Portanto, a idade das pessoas influenciava o quão bem a droga funcionava.

“Esta é uma informação muito importante porque precisamos de tratamentos para todos os portadores de EM – independentemente da idade das pessoas. Os pesquisadores estão trabalhando em maneiras de reverter os efeitos biológicos do envelhecimento nas células reparadoras de mielina. E um novo ensaio testará se a combinação de uma droga para aumentar o reparo da mielina (chamada clemastina), com uma droga para fazer as células parecerem mais jovens (chamada metformina) pode reparar a mielina em pessoas com EM. ”

Para mais informações sobre a pesquisa apresentada na conferência, leia algumas das descobertas sobre tabagismo e COVID longa usando dados do MS Society UK MS Register.

Sexta-feira, 22 de outubro de 2021

por Katie Haylor

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: MS Society 

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre