AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

CRISE DE IDENTIDADE: QUEM SOU EU AGORA? COMO ENCONTRAR UM NOVO PROPÓSITO SE SUA CARREIRA TERMINOU?

CRISE DE IDENTIDADE: QUEM SOU EU AGORA? COMO ENCONTRAR UM NOVO PROPÓSITO SE SUA CARREIRA TERMINOU?

Se você é como eu, você provavelmente passou anos criando e estabelecendo a sua carreira através da sua educação e experiências de trabalho. Talvez você até tenha tido um daqueles sonhos de infância. “Eu sempre quis ser…”.

Talvez você tenha passado anos da sua vida na faculdade, suando e trabalhando para trabalhos e exames, escrevendo páginas intermináveis, e passando longas noites estudando. Talvez, como eu, você tenha gastado muito dinheiro em cursos e livros, ou até tenha feito empréstimos para financiar suas atividades educacionais.

Passei cerca de oito anos na faculdade, finalmente concluindo o meu mestrado em 2012. Por meio dessa busca, criei uma nova identidade para mim mesma: eu sou uma enfermeira. Sinto orgulho deste título, assim como você provavelmente já sentiu orgulho de si. Afinal, trabalhamos duro para isso, certo? Não é isso o que somos?

O que acontece quando a sua doença leva esse título para longe de você? E se você não puder mais trabalhar? Nós vivemos em uma sociedade orientada para a carreira, dizendo aos nossos filhos desde pequenos que eles devem ir para a faculdade e “ser alguma coisa.” Não a toa, um dos temas mais comuns de discussão entre as crianças é “O que você quer ser quando crescer?”

Com a EM, a maioria de nós vai chegar um dia em que não podemos mais encontrar a força, a cognição, ou a capacidade de permanecermos empregados. É apenas uma questão de tempo, mas o que acontece em seguida? Eu ainda vou ser capaz de me chamar de enfermeira? Se eu não sou uma enfermeira, quem sou eu? Tenho quase esquecido quem eu sou sem meu título profissional.

Este ano foi difícil para mim, e eu lidei com várias surtos e tratamentos. Durante esse tempo, eu fui forçada a passar algum tempo longe do trabalho. Comecei a distanciar a minha identidade profissional, o que fez com que eu sentisse perda em primeiro lugar. Eu realmente ficava triste com esta identidade. O interessante é que eu encontrei o caminho de volta para as coisas que eu amava antes de ser uma enfermeira.

A palavra chinesa para crise é uma grande representação dos componentes de uma crise. A palavra crise em chinês é formada com os personagens de perigo e oportunidade. Quando você enfrenta uma crise ao final da sua carreira, você deve tentar vê-la como uma oportunidade de encontrar algo novo, emocionante e maravilhoso. Não é necessariamente uma tragédia tão grande quanto você provavelmente acredite que é. A mudança nunca é fácil, mas às vezes é o que você precisa, mesmo que isso não seja algo que você acha que quer.

Quando criança, eu adorava teatro, canto, dança, e livros. Eu gostava de escrever poesia e histórias criativas. Eu me satisfazia com estas coisas, e naquela época eu era só eu. Estas são as coisas que eu comecei a amar de novo, e apaixonadamente. Essa perda de “auto carreira” levou a uma redescoberta do meu verdadeiro eu, e tem sido maravilhoso!

Eu comecei a gostar de escrever novamente, o blog e compartilhar minhas experiências. Eu tenho tempo para gastar com os meus filhos, e agora eu realmente posso ouvi-los, ajudar com a lição de casa, e ter conversas. Eu tenho tempo para um café com meus amigos mais próximos e familiares, e posso desfrutar do calor do sol, as cores da paisagem da queda, o sorriso no rosto do meu marido, e a beleza de tudo isso. Se eu puder ajudar apenas um companheiro de EM através da minha escrita, eu sinto que a minha vida tem um propósito e um significado, e isso vai continuar, mesmo que eu já não esteja empregada. Se não fosse pela minha doença, eu provavelmente seria incapaz de experimentar estes belos momentos simples.

Os seres humanos anseiam um propósito. Para muitas pessoas, a carreira é a principal fonte de propósito e significado. Quando a carreira desaparece, este momento é a chave para encontrar a sua paixão. Você gosta de ler, cantar, dançar, escrever, desenhar, ouvir música, ou se voluntariar para instituições de caridade? Encontre algo que leva você adiante, te anima e faz você se sentir realizado. Você é mais do que qualquer título que você ganhou na escola; você é único, capaz e valioso, a despeito de qualquer emprego.

Meagan Freeman foi diagnosticada com EMRR em 2009, aos 34 anos. Ela é uma enfermeira de família no norte da Califórnia, e cria seus 6 filhos (entre 6 e 17 anos de idade) junto com seu marido, Wayne. Ela esteve envolvida na área da saúde desde os 19 anos, trabalhando como técnica de emergência médica, e enfermeira. Escrever sempre foi sua paixão, e ela agora é capaz de passar mais tempo entre seus blogs e a sensibilização de pessoas com EM. Visite-a em: motherhoodandmultiplesclerosis.blogspot.com.

 

Fonte: Fonte: Escrito por Meagan Freeman e publicado em www.erasems.org. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *