Compreendendo sua ressonância magnética

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Como uma neurologista atenciosa pode mudar sua relação com um dos exames mais importantes para pessoas com EM – a ressonância magnética

 

Autor: Mary Pettigrew é autora, blogueira e ativista pelos direitos de pessoas com EM.

 

Tenho 55 anos e fui diagnosticada com Esclerose Múltipla em 2001. Após 21 anos, sempre me considerei uma pessoa que sabia muito sobre EM – minha própria EM. Considerada uma paciente atenciosa, estou em dia com exames regulares e consultas com neurologistas ou outros especialistas necessários. Eu fiz inúmeros exames de ressonância magnética, lia os relatórios de radiologia e muitas vezes vi alguns dos meus exames, mas não compreendia tudo o que estava olhando.

Por anos, eu sabia que havia lesões antigas espalhadas por toda a minha coluna, mas, como ninguém falou sobre nenhum detalhe e minha mobilidade permaneceu um tanto tolerável e intacta, meu foco permaneceu em melhorar – ou pelo menos manter – a saúde cognitiva do meu cérebro.

Na verdade, vários anos atrás, disseram-me que uma de minhas lesões cerebrais havia se tornado um grande buraco negro (tecido morto sem possibilidade de reparo). Na época, minha neurologista me incentivou veementemente a reconsiderar experimentar um dos medicamentos para EM para combater a possibilidade de demência de início precoce. Essas notícias eram terríveis, então segui seu conselho: comecei a tomar um novo medicamento e a exercitar meu cérebro por meio da música e de outras atividades novas e criativas – e também a escrita. Vários anos e outras mudanças na vida vieram e se foram e eu definitivamente sinto que treinar, ou reciclar, meu cérebro dessa maneira criativa tem feito maravilhas para mim.

Nos últimos anos, comecei e parei de tomar sete medicamentos diferentes para EM por causa de vários efeitos colaterais. Estou prestes a começar o Kesimpta – cruze os dedos! Todo ano, na mesma época, eu faço um exame cerebral (inclui o tronco cerebral). Mas a cada poucos anos, exames adicionais da minha coluna são necessários para avaliação e status de progressão.

O que começou como uma consulta normal de manhã cedo com minha neurologista, em meu check-up de rotina, se tornou uma das experiências mais reveladoras que já tive. Como de costume, tivemos nossa típica brincadeira de perguntas e respostas, mas logo fui pega de surpresa por um ato de cuidado e compaixão da parte dela.

Ela fez silêncio a uma pergunta simples que eu tinha feito (no momento, não consigo nem me lembrar qual foi a minha pergunta), e depois gentilmente se inclinou e puxou minha cadeira para perto da dela para que eu também pudesse ver a tela do seu computador, cheia de anos de meus exames de ressonância magnética: meu cérebro, coluna cervical, tórax, etc.

Meus exames cerebrais pareciam semelhantes, ano após ano, varredura após varredura, com e sem contraste. Mas meu queixo caiu quando ela mostrou minhas imagens da coluna vertebral. Ela me disse que minha coluna cervical tem várias complicações. É a área com mais lesões e a mais preocupante.

Eu, de verdade, não sabia se alguma vez já tinha sido informada a respeito de qualquer uma dessas descobertas, mas agora estava vividamente claro e eu era capaz de ver tudo por mim mesma. Esta “nova” informação foi explicada com muito conhecimento e compaixão por uma gentil e amável médica. Ela me tratou como um ser humano. Essa experiência levou a muitas perguntas, trocas e momentos de “ah!” que forneceram um pouco mais de clareza em relação a uma variedade de sintomas.

Enquanto escrevo isso, percebi que nem todo mundo com Esclerose Múltipla tem familiaridade com a anatomia da coluna vertebral humana – mesmo se houver lesões nessa área. Aqui está a anatomia básica, começando com o cérebro, com uma imagem para referência.. A propósito, é supostamente muito raro encontrar lesões nas áreas sacrais ou cóccix.

Coluna vertebral humana

 

 

 

 

  • Cérebro/tronco cerebral
  • Coluna cervical (pescoço)
  • Torácica (coluna superior / média)
  • Lombar (parte inferior das costas)
  • Sacral
  • Cóccix

 

 

 

Aqui estão algumas perguntas importantes a se fazer:

  • Quanto você realmente sabe sobre seu corpo e sua EM?
  • Seu neurologista senta com você e realmente mostra seus exames em comparação com o laudo radiológico?
  • Você pede ao seu neurologista para marcar uma consulta com você sobre seus exames?
  • Ele aponta e explica o que suas imagens de ressonância magnética revelam (comparando passado e presente)?

Essas sessões individuais podem ajudar você e seu médico a estabelecerem uma relação e criarem um nível de melhor compreensão – especialmente quando for o momento de tomar decisões importantes sobre terapias medicamentosas e outras escolhas que mudam a vida.

Sim, as descobertas podem ser um tanto chocantes, mas nenhuma vez senti pânico ou medo. Em vez disso, consegui obter clareza e olhar para o futuro, e sou grata. Permanecerei com a mente aberta e francamente curiosa sobre pesquisas, medicamentos e diagnósticos. Eu recomendo fortemente que outros façam o melhor para também estudar e ficar a par de suas próprias condições da melhor maneira possível. É um desafio – a ciência e a pesquisa estão em constante evolução.

Como pessoas que convivem com EM, regularmente lemos ou ouvimos a frase “seja o melhor defensor dos seus interesses”. Talvez o programa de “advocay do paciente para iniciantes” deva encorajar a inclusão de nossos médicos e estimular a construção de relacionamentos melhores. Peça ajuda: solicite uma consulta breve e ocasional, ou uma explicação. É seu direito e um bom neurologista ficará feliz em fazer isso. Se não, encontre um médico que vá. A propósito, há outras coisas a considerar:

  • Com que frequência devo fazer uma ressonância magnética? É normal fazer uma ressonância magnética anualmente e eu recomendo que você faça isso.
  • Avaliação de atrofia cerebral: Este é um exame relativamente novo que mostra a atrofia do cérebro em correlação com a EM e a idade.
  • Quando o contraste de gadolínio é útil? Na minha opinião, é importante usar o contraste nos primeiros momentos após o diagnóstico. Este corante ilumina as lesões e a atividade. No entanto, depois de algum tempo (pode levar anos), pode não ser necessário incluir o contraste. Essa conversa precisa acontecer entre você e seu neurologista. Lembre-se de que você tem todo o direito de recusar o contraste, mas ainda assim é bom estudar e refletir sobre essa decisão.
  • Aparelhos de ressonância magnética: abertos ou fechados? A claustrofobia pode ser um grande problema. Converse com seu médico sobre como acalmar você e como é a sua experiência com a ressonância magnética. Eu já fiz tantas que isso não me incomoda mais. No entanto, é bom frisar que você obterá um exame muito melhor e mais claro se fizer uma ressonância magnética em um aparelho fechado.

 

Fonte: MS Focus Magazine

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre