Como reconhecer um surto de EM?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Os sintomas nem sempre são um sinal de progressão da doença

Em pessoas com esclerose múltipla (EM), uma recaída é o agravamento dos sintomas que você já tem ou o aparecimento de novos sintomas. Isso é tipicamente confirmado pelo desenvolvimento de uma lesão em seu cérebro ou medula espinhal e é considerado um sinal de que sua doença está progredindo.

No decorrer do tratamento da doença, pode ser difícil saber se você está tendo sintomas de EM ou se simplesmente está tendo um “dia de folga”. Em outras ocasiões, você pode começar a se perguntar se um surto súbito é incidental ou se é um sinal de que a esclerose múltipla está piorando. Não saber pode piorar as coisas, acrescentando ansiedade e depressão à longa lista de possíveis sintomas.

 

Causas

Também conhecidas como exacerbações, ataques ou crises, as recidivas da EM são causadas por inflamação no sistema nervoso central, o que prejudica ainda mais a camada protetora que isola os nervos, conhecida como bainha de mielina. Quando essa camada protetora é removida, ocorre uma lesão (uma área de inflamação) e um eventual dano (desmielinização), tornando os nervos menos eficientes na condução de sinais.

 

Sintomas

No curso mais comum da doença, referido como EM reincidente-remitente (EMRR), um período de sintomas agudos será seguido por um período de remissão durante o qual qualquer inflamação gradualmente diminuirá e terminará. No entanto, isso não significa que todos os sintomas desaparecerão. Em alguns casos, os sintomas persistirão mesmo durante a remissão, embora em um nível relativamente estável, com apenas altos e baixos ocasionais.

Quando você tem uma recaída, os sintomas dependem da localização da nova lesão no cérebro, na medula espinhal ou no nervo óptico. Algumas recaídas são muito óbvias; por exemplo, perder a visão em um olho devido à inflamação dos  nervos ópticos. No entanto, outras recaídas podem não ser tão repentinas ou dramáticas; por exemplo, a inflamação no cerebelo pode fazer com que você se sinta mais “instável” ou cansado.

 

Critérios de Recaída

Em termos médicos estritos, uma recidiva da EM ocorre quando você apresenta um ou mais novos sintomas neurológicos ou o agravamento de um ou mais sintomas antigos por pelo menos 24 horas. Além disso, o ataque atual deve ser separado de um ataque anterior por pelo menos 30 dias.

 

Quando os sintomas não são devidos a uma recaída

Nem todos os surtos significam que sua doença está progredindo. Por exemplo, uma pseudo exacerbação ou pseudo recaída é o agravamento temporário dos sintomas causados ​​por fatores externos.

Na maioria das vezes, estas são causadas por um aumento na temperatura corporal devido ao calor do tempo quente, esforço ou febre, conhecido como  fenômeno de Uhthoff . Quando a temperatura do seu corpo volta ao normal, os sintomas neurológicos diminuem. Infecções e estresse físico ou emocional também são causas comuns de pseudo exacerbações.

O mesmo se aplica aos sintomas paroxísticos da EM. Estes são os sintomas que aparecem repentinamente, duram alguns segundos ou minutos e depois desaparecem com a mesma rapidez. Os sintomas paroxísticos podem ocorrer como um evento isolado ou repetir em ciclos ao longo de horas ou dias. Em alguns casos, os sintomas recorrentes podem levar meses para serem resolvidos completamente.

Mas mesmo sintomas recorrentes como estes não constituem uma recaída. Eles não ocorrem tanto por causa de uma progressão da doença, mas sim por causa da lesão nervosa existente.

 

 

Sintomas paroxísticos da esclerose múltipla

Diagnóstico

Conhecer a diferença entre uma recaída, uma pseudo exacerbação e um sintoma paroxístico não é uma distinção fácil de ser feita. Como a doença em si, os sintomas da esclerose múltipla são muitas vezes erráticos e imprevisíveis. Mesmo com os critérios de recaída mencionados acima, os médicos às vezes têm dificuldade em distinguir a diferença.

A única maneira de realmente saber se você está tendo uma recaída é fazer uma ressonância magnética, com gadolíneo. Este material de contraste, que é injetado durante o exame, é atraído para áreas de inflamação e “acende” quando uma lesão está “ativa”. Neste caso, a desmielinização está ocorrendo e você estará tendo uma verdadeira recaída, em vez de sentir sintomas causada por lesões mais antigas.

Nem sempre é necessário ter uma ressonância magnética. Dependendo do que você está enfrentando, seu médico pode simplesmente querer saber se os sintomas estão interferindo com sua capacidade de funcionar e / ou sua qualidade de vida. É uma avaliação subjetiva, mas fundamental para o gerenciamento de sua doença e seu bem-estar a longo prazo.

Mesmo que haja evidências de recaída, seu médico ainda pode não recomendar o tratamento. Fadiga ou alterações sensoriais leves que não afetam sua vida muitas vezes podem ser resolvidas por conta própria. Seja claro em conversas com seu médico para explicar ao certo como você está se sentindo.

Uma consulta formal com o profissional que te acompanha é a atitude mais segura para avaliar o que, de fato, está ocorrendo com seu organismo.

 

Fonte: Very Way Heath – Traduzido e adaptado Redação AME: https://www.verywellhealth.com/ms-how-do-i-know-if-im-having-a-relapse-2440699

Explore mais