AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Cladribina pode retroceder a EM e reduzir as lesões

Cladribina pode retroceder a EM e reduzir as lesões

Cladribina oral pode atrasar a ação da esclerose múltipla (EM) e reduzir as lesões em pacientes em um primeiro surto desmielinizante, é o que mostra um novo ensaio clínico de fase III.

O tratamento na altura do primeiro evento é conhecido por retardar o aparecimento da EM, e o tratamento precoce, em geral, pode reduzir a probabilidade de progressão, foi o que publicou-se dia 4 de fevereiro na Lancet Neurology.

No seu ensaio ORACLE MS, cladribina atrasou significativamente o tempo de ação da EM em comparação aos pacientes que receberam placebo, utilizando tanto o Poser e os critérios de McDonald 2005. A cladribina também reduziu significativamente a contagem de lesões em comparação com placebo levando em conta a imagem dos pacientes por ressonância magnética (MRI).

"Nosso julgamento estabelece um novo marco para o que é possível em um tratamento precoce da EM", afirmou o autor Dr. Thomas P. Leist, da Universidade Thomas Jefferson, na Filadélfia, Pensilvânia, à Reuters Health.

"Este é o primeiro estudo de pacientes com síndrome clinicamente isolada que mostra um efeito sobre a progressão da EM em mais de 60%. Ele mostrou de forma inequívoca que pode obter uma alta eficácia nestes pacientes iniciais com a medicação. A intensidade do efeito biológico me surpreendeu, porque foi acima e além do que foi visto em outros estudos na síndrome clinicamente isolada", disse ele.

Quanto a afirmar se a droga deve ser ou não padrão de tratamento, o co-autor Dr. Patrick Vermersch, da Universidade de Lille -Nord de France, em Lille, aconselhou em um e-mail que não deveria, mas que “a cladribina oral pode ser considerada como uma terapia de indução com dois cursos de tratamento, se a síndrome clinicamente isolada é grave, com sequelas e com lesões de alto T2 no cérebro ou na medula espinhal demonstradas em ressonância magnética”

No entanto, Dr. Leist observou que os patrocinadores do julgamento decidiram não continuar aprofundando-se no estudo da cladribina.

Ele e seus colegas conduziram um estudo duplo-cego, randomizado de fase III de três fases em 160 centros médicos em 34 países.

Eles recrutaram pacientes de 18 a 55 anos de idade que tiveram um primeiro evento clínico desmielinizante 75 dias ou menos antes da triagem, pelo menos duas lesões clinicamente silenciosas de pelo menos 3 mm em um exame de ressonância magnética do cérebro em T2, e uma pontuação Expanded Disability Status Scale de 5,0 ou inferior.

Dos 903 doentes os pesquisadores avaliaram a elegibilidade, se inscreveram 616 e foram sorteados aleatoriamente 204 pacientes para receber 5,25 mg/kg de cladribina, 206 pacientes para receber 3,5 mg/kg de cladribina, e 206 a receber placebo. O estudo durou 96 semanas.

A Cladribina atrasou significativamente o tempo necessário para a conversão da EM clinicamente definida de acordo com o Poser e os critérios de McDonald 2005 em ambas as doses, em comparação com o placebo (p< 0,0001 para ambos).

A cladribina também diminuiu significativamente o número de lesões novas ou persistentes T1 aumentando o gadolínio, lesões T2 novas ou crescentes, e lesões ativas únicas combinadas em comparação com o placebo (p < 0,0001).

Ocorreram efeitos adversos em 165 (81%) dos pacientes no grupo de 5,25 mg / kg , em 168 (82%) dos pacientes no grupo de 3,5 mg/kg , e em 162 (79%) dos pacientes no grupo placebo. O risco de eventos adversos com o tratamento ativo não aumentou em comparação com o placebo, com exceção de linfopenia, que era grave em 10 (5%) pacientes de 5,25 mg/kg grupo e quatro (2%) pacientes no 3,5 mg/kg grupo.

" A cladribina é um medicamento muito interessante", disse o Dr. Leist. "É relativamente rápida a ser eliminada do corpo, de modo que o seu efeito biológico persiste na ausência de medicação real, permitindo que a pessoa seja tratada de forma intermitente, com ausência de medicação durante a maior parte do ano. Isto pode ser uma consideração importante já que muitos pacientes são em polifarmácia."

"Eu estou animado com os resultados, mas também desapontado que as empresas que patrocinaram o experimento, a Merck Serono na Europa e EMD Serono em os EUA, decidiram não prosseguir com a comercialização deste medicamento", acrescentou.

"A menos que alguém se comprometa, provavelmente não vamos aprender muito mais. Como um médico que estuda a EM, estou desapontado, levando em conta que a cladribina pode não ser uma medicação disponível para meus pacientes", disse ele.

Dr. Dennis Bourdette da Oregon Health and Science University, em Portland co-escreveu um editorial de acompanhamento. Ele disse à Reuters Health em um e-mail: “Qualquer tratamento que reduz as chances de ter uma recaída da EM deve aumentar o tempo de conversão para EM clinicamente definida após o primeiro evento desmielinizante. Se qualquer coisa, este novo julgamento fornece evidência adicional de que a cladribina é eficaz na EM redicivante”.

Dr. Bourdette concordou com o Dr. Vermersch que a droga não deve ser o padrão de atendimento.

"Há preocupações graves de segurança sobre o uso da cladribina na EM, que são a principal razão da não aprovação pelo FDA para o tratamento de esclerose múltipla. Existem drogas muito mais seguras, como o acetato de glatiramer e os interferons beta recombinantes, que são eficazes no controle da EM e em retardar o tempo de conversão para EM clinicamente definida após um primeiro evento desmielinizante, e estes devem continuar a ser o padrão de atendimento", disse ele.

"Os médicos não devem prescrever cladribina off-label para tratar a esclerose múltipla, pois os riscos do tratamento a longo prazo são incertos", disse ele.

Dr. Leist e todos os outros autores do estudo não receberam recursos de Serono, e dois autores eram funcionários Serono no momento da apresentação do estudo.

Reuters Health Information. Traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *