Aubagio® pode retardar a atrofia cerebral em pessoas com EM

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Genzyme, empresa Sanofi, anunciou os dados coletados no estudo de fase III em que as ressonâncias magnéticas mostraram que teriflunomida atrasou significativamente o encolhimento do cérebro (ou atrofia) em comparação com placebo em pessoas com EM Remitente Recorrente. Nesta análise, os dados obtidos a partir da RM foram analisados ​​de acordo com a avaliação da imagem estrutural usando a normalização da atrofia (avaliação de imagem estrutural usando normalização da atrofia, Siena) um método diferente que foi usado anteriormente.

Avaliou-se a mudança no volume cerebral com base numa linha de comparação entre os pacientes que receberam o placebo ou o teriflunomida. Em estudos clínicos com teriflunomida na EM, a incidência de eventos adversos graves foi semelhante entre os pacientes tratados com teriflunomida e aqueles que receberam placebo. Estes dados foram apresentados no 31º Congresso do Comitê Europeu Para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (Comitê Europeu Para Tratamento de Esclerose Múltipla, ECTRIMS), realizado em Barcelona

Os resultados revelaram que em 12 meses, a porcentagem de redução média no volume cerebral de linha de base foi comparada a 0,39 no caso do teriflunomida 14 mg e 0,61 no caso do placebo. Esta alteração foi menor para o teriflunomida em comparação com o placebo: 14 mg, 36,9%, p = 0,0001.

Além disso, a diferença significativa entre o placebo e teriflunomida na redução da atrofia cerebral foi mantida até o 24Ëš mês. A porcentagem de encolhimento do cérebro médio em relação à linha de base foi de 0,90 no caso de 14 mg e teriflunomida 1,29 no caso do placebo. Esta alteração foi menor para o teriflunomida comparação com o placebo: 14 mg, 30,6%, p = 0,0001.

"O controle ou prevenção da atrofia cerebral é um objetivo fundamental na gestão da esclerose múltipla", disse o Dr. Ludwig Kappos, Professor de Neurologia do Hospital Universitário de Basel (Suíça). "Estes dados são de grande ajuda para expandir nosso conhecimento sobre os possíveis efeitos do teriflunomida em pessoas com EM Remitente Recorrente.

"Estes resultados demonstram a redução da atrofia cerebral por mais de dois anos para somar-se ao crescente volume de dados recolhidos sobre os efeitos do teriflunomida", disse Bill Sibold, diretor da unidade de negócios da Genzyme para EM. "Nós continuaremos com nosso compromisso de aprofundar o conhecimento sobre o teriflunomida e os benefícios potenciais que ele pode gerar para pacientes com esclerose múltipla."

http://prnoticias.com – 13/10/2015. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre