AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A retina é uma janela ao cérebro

A retina é uma janela ao cérebro

O neurólogo Donostiarra faz parte da equipe de cientistas que conseguiu ver a evolução da esclerose múltipla através da retina

Um estudo realizado pelo Departamento de Neurologia e Oftalmologia do Hospital Clínico de Barcelona e o programa IDIBAPS Neuroimmunology mostrou que através da retina do olho pode-se observar de maneira não invasiva a evolução da esclerose múltipla. O neurologista Donostiarra Iñigo Gabilondo faz parte da equipe científica que abriu as portas para estudar esta e outras doenças neurodegenerativas, como Parkinson.

Por que investigar a esclerose múltipla através da retina?

Existem várias razões. A primeira é a vantagem da via visual, que inclui não só a retina. A retina ultrapassa através do nervo óptico, o que é um cabo que liga o globo ocular para o cérebro, para ligações internas atinge a parte de trás do cérebro. Esta rota tem uma anatomia que é bem conhecida há séculos. Tem uma função bem definida e facilmente mensurável, através de uma bateria de testes que medem a função visual de uma forma muito precisa. Em resumo, temos uma muito boa definição anatômica e capacidade de medir uma função específica e precisa. Por isso, é muito adequado para estudar o que acontece, em geral, a via do sistema nervoso.

Que tecnologia foi utilizada?

A técnica de imagem chamada de tomografia de coerência óptica. É uma imagem de técnica não invasiva, e que não faz mal. É como uma câmera de vídeo. O paciente senta, apoia a cabeça e, em dez ou quinze minutos tira-se uma imagem da retina, que tem uma nitidez quase comparável aos cortes histológicos obtidos com microscópios, como você viu a resolução da imagem do tecido pode chegar a até 1.000 vezes menor do que 1 milímetro. Uma vez que a retina conecta para o cérebro através do nervo óptico, o que acontece no cérebro e afeta a visão tem uma tradução na retina. Então, criou-se a expressão de que a retina é uma janela para o cérebro, porque através dele você pode acompanhar o que acontece na doença neurodegenerativa.

 No caso da EM, será a doença geralmente se manifesta através de problemas de visão?

 Um dos sintomas cardinais da doença é a neurite óptica, que é a inflamação do nervo óptico. Este quadro ocorre ao longo da doença em mais de metade dos pacientes. Estudos de autópsia, foi confirmado que a pista visual do nervo óptico é afetado em todos os casos estudados.

O que aparece primeiro na retina é o que então acontece no cérebro ?

Tivemos dois propósitos em nossos projetos em relação ao que é chamado a dinâmica de degeneração neuronal. Os neurônios são as células que são, na verdade, como longos cabos que se conectam. Quando apenas um neurônio, uma espécie de vantagem inicial é chamado de soma, estendendo-se a sua extensão, que é o axônio, e termina em uma terminação que são chamados dendrites, antes de ligar para o próximo neurônio. Sabemos que na EM as lesões aparecem, lesões cerebrais multifocais irregulares e os axônios que são afetados . O dano não está limitado à zona central, mas estende em ambas as direções, para a cabeça e as extremidades dos neurônios . Uma teoria sobre como instalar essas lesões focais no cérebro é que o dano se espalha por todo o neurônio. É uma lesão lenta e que se espalha de neurônio para neurônio. Um dos nossos objetivos era tentar ver como esse dano acontece. O que estudamos é a relação de danos na retina com danos no cérebro.

Que valor tem este estudo?

Tem uma implicação fisopatológica que acontece é a forma como a disseminação dos danos, e também tem uma aplicação talvez mais relevante para um paciente. Ele está tentando descobrir qual marcadores podem prever o dano que temos no cérebro de um paciente depois de um ano.

Onde devemos focar as pesquisas seguintes? 

Neste momento, o estudo analisou as mudanças na via visual, uma vez que inclui o paciente até um ano depois. Mas dano difuso, que causam a deterioração do cérebro, são mais lentos. Idealmente deveríamos usar esse modelo de pesquisa de longo prazo. A idéia seria a de tentar transferir este modelo para outros grupos, aumentar o número de pacientes e maior tempo de seguimento.

Ajudaria a outras doenças neurodegenerativas?

Um ponto-chave para investigar esta técnica é que a doença que afeta o sistema visual. Agora nós começamos dois projectos sobre o distúrbio do sono REM, um conjunto de sintomas que perturbam o sono e é associado com estágios iniciais de algumas doenças neurodegenerativas, como Parkinson e outras demências. Também irá ser usado com pacientes de Parkinson, porque tem-se verificado que algumas alterações na retina pode ter um corolário da forma como ocorre o dano no cérebro de pacientes.

A porta está aberta para um possível hipótese de como retardar a progressão da doença ?

É precisamente o que buscamos, através da identificação de biomarcadores de prognóstico. Porque quando você os indentifica, você é capaz de tomar decisões de tratamento antes que eles sofram danos.

O ideal seria estender o estudo de acompanhamento, eles são limitados pelo financiamento ?

A falta de financiamento é um ponto totalmente limitador. Este projeto começou com o financiamento do Instituto Carlos III e tem curso suficiente. Embora geralmente aconteçam cortes os pesquisadores têm de encontrar dinheiro debaixo de pedras, com financiamento europeu e americano. Temos também o financiamento privado, principalmente da indústria farmacêutica, que apóia projetos cujo principal iniciativa é a ciência e não o benefício econômico para favorecer um determinado medicamento.

 A crise aumentou a pressão sobre a ciência para obter resultados?

Normalmente, quando você começa um projeto ou uma bolsa de estudos, há sempre um prazo determinado. Nesta época os investigadores têm de começar a gerar relatórios sobre o andamento do projeto e deve gerar resultados que precisam ser traduzidos em comunicações orais em congressos e trabalhos científicos que são relevantes.

AVEMPO. Traduzido livremente.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta