A psicologia da esperança

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Reconstruindo em face da adversidade contínua

 

PONTOS CHAVE

  • Ligada ao otimismo, a esperança é uma atitude ou perspectiva de que coisas boas acontecerão e os desejos ou objetivos de alguém, no final das contas, serão realizados.
  • A adversidade contínua durante a pandemia corroeu o senso de esperança de muitas pessoas.
  • A esperança nos ajuda a manter o foco nas metas futuras e pode nos ajudar a nos adaptar às mudanças e gerenciar melhor as adversidades.
  • A esperança pode ser difícil de medir, mas uma coisa é certa: a pandemia afetou significativamente o sentimento de esperança de muitas pessoas. Ainda assim, o que é esperança? Como isso afeta nosso bem-estar? E como podemos alimentar a esperança em face da adversidade contínua?

O que é esperança?

A American Psychological Association define esperança como “a expectativa de que alguém terá experiências positivas ou de que uma situação potencialmente ameaçadora ou negativa não se materializará ou resultará em um estado de coisas favorável”. A esperança também está ligada ao otimismo – a atitude ou perspectiva de que coisas boas acontecerão e os desejos ou objetivos de alguém serão finalmente realizados. Nesse sentido, a esperança é essencial para o estabelecimento e, em última instância, o alcance das metas.

Como a esperança apoia o bem-estar social, mental e físico?

O impacto da esperança em nosso bem-estar social, mental e físico é amplamente documentado. Positivamente correlacionado com maiores taxas de satisfação, o consenso é que a esperança serve como um amortecedor contra eventos negativos e estressantes da vida. Mas um levantamento das pesquisas existentes sobre esperança sugere que ela serve como mais do que como um amortecedor.

Localizando a esperança como um tipo de “capital psicológico”, os autores de um estudo de 2010 descobriram que indivíduos com muita esperança demonstram melhores resultados atléticos, acadêmicos, ocupacionais e de saúde. Mas por que indivíduos esperançosos não apenas se sentem melhor, mas parecem ter níveis mensuravelmente mais altos de realização e até relatam uma saúde melhor?

Uma possível explicação é que indivíduos esperançosos são mais propensos a cuidar de suas carreiras e saúde porque estão voltados para o futuro (ou seja, porque estão estabelecendo e ativamente perseguindo metas). Em outras palavras, indivíduos esperançosos geralmente são mais bem-sucedidos e mais saudáveis ​​porque já são proativos em relação ao seu bem-estar profissional, financeiro e físico.

No entanto, também há uma série de estudos que descobriram que a esperança pode ser um fator especialmente importante quando as pessoas são diagnosticadas com uma doença grave. Em um estudo de 2008 com pacientes com esclerose múltipla, por exemplo, Hart et al. descobriram que a esperança levou a resultados positivos para a saúde física porque pacientes esperançosos pareciam mais propensos a buscar oportunidades para alterar o curso da doença. Da mesma forma, um estudo de 2011 por Flett et al. descobriram que pacientes esperançosos eram mais adaptativos e, portanto, mais bem equipados para lidar com os desafios da doença de Crohn e da colite ulcerosa. Com base nisso, é possível que a esperança não seja apenas um amortecedor contra experiências negativas, mas também algo que pode nos ajudar a nos adaptar, mesmo quando tudo o que consideramos garantido em nossas vidas foi interrompido.

Como os líderes podem ajudar a construir equipes e organizações esperançosas?

Se você liderou uma organização nos últimos dois anos, provavelmente já se perguntou como pode cultivar esperança em sua organização. Afinal, a esperança não só contribui para uma cultura de trabalho mais forte, mas também pode reduzir as taxas de desgaste.

Não existe uma fórmula única, mas existem coisas que você pode fazer para ajudar a cultivar a esperança, mesmo em face dos imensos desafios que continuamos a enfrentar como indivíduos e organizações diariamente.

Estabeleça metas claras: seja claro, direto e focado quando se trata de metas. Além disso, monitore a linha tênue entre o que é aspiracional e o que é alcançável. Para começar, estabeleça metas e, em seguida, divida cada uma delas em etapas viáveis. Quanto mais você divide cada meta em etapas facilmente alcançáveis, mais provável é que sua equipe alcance até mesmo as metas mais ambiciosas. Lembre-se de que a esperança também é cumulativa. Quanto mais etapas os membros de sua equipe concluírem, mais esperançosos eles se tornarão.

Cultive uma mentalidade construtiva: ajude os membros de sua equipe a aceitar a ideia de que eles podem continuar crescendo, mesmo enfrentando adversidades.

Alinhe metas com valores: quando as metas são altamente relevantes (importantes para si mesmo, para o trabalho, para a família ou para a comunidade), é mais fácil impulsionar a mudança.

Tenha perspectiva regularmente: ajude sua equipe a ter perspectiva em intervalos regulares. Ser capaz de ver o próprio progresso é uma ótima maneira de criar esperança para o futuro.

O futuro de esperança

Ao olharmos para o futuro, há razões para acreditar que as consequências da pandemia provavelmente continuarão a moldar nossas vidas e trabalho por algum tempo. A esperança está sendo submetida a novas tensões e tensões, mas é também por isso que é mais importante agora do que nunca. 

 

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Fonte: Psychology Today/ Camille Preston – 24 de outubro de 2021

Explore mais

Qualidade de Vida

10 mitos da esclerose múltipla

Por Maurício Brum, da Redação AME/CDD   Você certamente já ouviu falar da esclerose múltipla. Mas, até pelo nome da doença e pelo desconhecimento sobre