AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A Esclerose Múltipla no trabalho

A Esclerose Múltipla no trabalho

Diante do diagnóstico de EM são muitas as perguntas que surgem em relação a diferentes aspectos do dia. O trabalho é um deles. Por várias razões, especialmente por causa de uma possível deficiência, a pessoa com EM deve considerar se continuar a trabalhar ou deixar o cargo. Os dados mostram que muitas vítimas deixam o mercado de trabalho antes mesmo de sofrerem sintomas que dificultem a sua tarefa. No entanto, na maioria dos casos, eles poderiam continuar a trabalhar, tendo em conta vários fatores como adaptações e mudanças de emprego.

Estudos sobre os efeitos da esclerose múltipla na vida profissional das pessoas mostra alguns fatos perturbadores: alto desemprego e perda de emprego. Na verdade, a maioria dos diagnósticos de doenças ocorrem em adultos jovens, quando a pessoa em questão está apenas começando na carreira ou enquanto ainda está em tempo de tomar decisões importantes sobre o seu futuro. Portanto, a doença ocorre, na maioria dos casos, em um momento chave da vida profissional.

Os dados mostram que entre 90% e 95% das pessoas com EM têm trabalhado em algum momento de sua vida e que cerca de dois terços ainda estão trabalhando após o diagnóstico. Infelizmente, esses números caem dramaticamente como o progresso da doença e tempo. Quais são as razões para que isso aconteça ? Que aspectos devem observar afetados antes de sair ?

Parar de trabalho ou mudar de carreira são decisões muito importantes que envolvem muitos fatores, portanto, devem ser consideradas com o tempo para fugir de uma decisão precipitada, logo após o diagnóstico pode não ser o melhor momento para pensar em uma solução. De um modo geral, existem três grandes obstáculos enfrentados por aqueles afetados no local de trabalho:

Sintomas de esclerose múltipla. O aspecto médico obviamente é um grande impedimento para o acordo com o que funciona. A variabilidade sintomática da EM pode levar a grandes problemas na preservação do local de trabalho, há incerteza sobre a forma como cada dia será afetado e, por isso, é muito difícil manter a continuidade no trabalho. Além disso, alguns sintomas comuns da doença podem significar um grande obstáculo para executar as tarefas dadas: deficiência visual, desequilíbrio, tremores, problemas de memória, dor, etc.

Ambiente de trabalho. É muito provável que o ambiente de trabalho não esteja adaptado ou condicionado a novas necessidades apresentadas pela pessoa com EM após o diagnóstico. Por exemplo, o paciente pode sofrer problemas de mobilidade e precisa usar uma cadeira de rodas, é possível que o local não esteja habilitado ou tenha acesso a esses dispositivos.

A percepção pública. Grande parte da sociedade não sabe o que é a esclerose múltipla e o grau de ignorância geral joga contra o interessado. Muitas pessoas não sabem como a doença pode afetar o trabalho e, provavelmente por isso que muitas empresas mostram uma recusa de contratar uma pessoa com esclerose múltipla, embora geralmente outras razões sejam dadas como uma explicação para a não contratação.

Todas estas restrições são importantes, mas não intransponíveis. A pessoa com EM deve avaliar diferentes aspectos e opções antes de tomar a decisão final:

As circunstâncias econômicas e disponibilidade de auxiliares de deficiência.A pessoa com EM deve avaliar esses aspectos, já que não pode deixar o trabalho se você não tem uma ajuda financeira.

Assistência jurídica e de emprego. Proteção em caso de discriminação no emprego ou demissão ilegal e informado sobre os direitos para adaptação do local de trabalho. O EMF tem um serviço de aconselhamento jurídico para pessoas com esclerose múltipla, que pode ser contatado.

Eventuais ajustes no local de trabalho para permitir que o paciente continue trabalhando. Profissionais de reabilitação podem fazer os trabalhadores com EM serem pró-ativos a este respeito e eles mesmos pensarem em maneiras de habituar o local de trabalho às suas necessidades (mudar responsabilidades, equipamentos ou local). Muitas configurações ainda não representam um custo econômico, por exemplo, reservar um lugar de estacionamento perto do trabalho, ter um horário flexível, etc.

Mudar de carreira. Às vezes, a solução não é parar de trabalhar, mas procurar um emprego diferente. Esta é uma mudança drástica, mas às vezes necessária. Você sempre pode encontrar um trabalho que também gosta (para atender todos os interesses) e, ao mesmo tempo, poder realizá-lo de forma satisfatória.

Um aspecto do ambiente de trabalho que mais preocupa as pessoas com EM é se deve ou não informar que têm a doença. Legalmente, o paciente não tem obrigação de divulgar o diagnóstico. Se os sintomas não são visíveis e, portanto, não são necessárias quaisquer alterações ou modificações, isso não é problema e não há necessidade de compartilhar a doença. No entanto, é aconselhável tornar público o diagnóstico antes que os sintomas sejam visíveis, pois estes podem levar à confusão e má interpretação podendo ser, por exemplo, julgado como um problema de desempenho no trabalho quando na verdade é a fadiga, ou o desequilíbrio ser relacionado ao alcoolismo.

Antes de revelar a luta contra a EM, é importante que os indivíduos considerem dois pontos essenciais:

Conhecer as leis do país relativas a mudanças no local de trabalho para pessoas com deficiência. A entidade profissional pode ajudar e aconselhar sobre.

Alterações na taxa e modificações necessárias no local de trabalho para facilitar a tarefa.

É importante que a pessoa com EM se prepare para revelar sua condição, com confiança e de forma positiva. Para que isso ocorra, uma boa estratégia é pensar com antecedência que pontos serão discutidos com o empregador e considerar as questões que podem ser feitas, de modo a ter as respostas certas. Em conclusão, a comunicação aberta e honesta é a melhor maneira de controlar a doença no local de trabalho, para evitar confusões desnecessárias.

MS in focus, Multiple Sclerosis International Federation (MSIF). Traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

2 Comentários

  1. Teresinha Fátima dos Santos 3 meses atrás 9 de abril de 2018

    Minha filha descobriu semana passada que tem .Em estamos sem chão

    • ame 3 meses atrás 10 de abril de 2018

      Olá querida amiga, fique tranquila! Vocês não estão sozinhos, podem contar com a gente 🙂 O momento do diagnóstico é mesmo angustiante, mas com o tempo tudo vai se encaixando. Existem diversos tratamentos hoje em dia modificadores da doença e que trazem bons prognósticos para quem convive com ela. Lembre-se de nos escrever sempre que precisar. Abraços múltiplos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.