AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

A EM é a segunda principal causa de incapacidade em jovens de países desenvolvidos

A EM é a segunda principal causa de incapacidade em jovens de países desenvolvidos

Na Reunião Anual da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN), realizada de 18 a 22 de Novembro, em Valência, Dr. Bonaventura Casanova explicou que a esclerose múltipla é uma das doenças neurodegenerativas mais comuns entre pessoas com idade de 20 a 40 anos, e é a segunda principal causa de incapacidade entre os jovens nos países desenvolvidos.

No âmbito da Reunião LXVI Anual da Sociedade Espanhola de Neurologia (SEN), realizada de 18 a 22 de Novembro, em Valência, Dr. Bonaventura Casanova, coordenador da Unidade de esclerose múltipla conjunta do Instituto de Saúde e Neurodegeneration La Fe de Valência, disse esclerose múltipla (EM) é a doença neurodegenerativa mais comum entre as pessoas de 20-40 anos ea segunda causa de incapacidade em pessoas jovens nos países desenvolvidos 

O que é a esclerose múltipla?

A esclerose múltipla é uma doença crónica que produz lesões no sistema nervoso central, e as suas causas ainda não são totalmente claras, embora se saiba que existem vários mecanismos auto-imunes envolvidos. Atualmente afeta 2,3 milhões de pessoas, 10% a mais que em 2008, de acordo com o Atlas de Multiple Sclerosis International Federation (MSIF). Em Espanha, Espanha esclerose múltipla Federação estima que existam cerca de 46 mil casos no país, 70% deles mulheres. E foi multiplicado por 2,5 nos últimos 20 anos.

Os efeitos sobre o sistema nervoso central dificulta os impulsos dos neurônios, e na pior das hipóteses, pode causar deficiência. Lesões na mielina fazem com que os neurônios percam na totalidade ou em parte a sua capacidade de transmissão, causando os sintomas típicos de dormência, formigamento, contrações, paralisia, fadiga e distúrbios visuais.

 A importância do diagnóstico precoce

Os médicos geralmente enfatizam a necessidade do diagnóstico precoce da doença, de acordo com Casanova, “com um diagnóstico precoce pode fazer o tratamento precoce para prevenir a deficiência, o que irá melhorar o prognóstico a médio e longo prazo “. Ele também argumenta que “as drogas são mais eficazes se tratar o paciente em um estágio inicial da doença.”

 Para diagnosticar a doença precocemente de forma eficaz e prever deficiência nos anos seguintes, o melhor estudo é a ressonância magnética (MRI). É também útil para a monitorização da resposta do paciente ao tratamento.

 Dr. Óscar Fernández, especialista do Instituto de Neurociências Clínicas Hospital Regional Universitario Carlos Haya, Malaga, explica que “um paciente que teve um primeiro evento clínico sugestivo de MS e cuja MRI é anormal tem um risco 90 por cento de desenvolver o doença nos próximos 14 anos. no entanto, se MRI é normal e a clínica é bastante característico, o risco é de 20%. “

 Nos últimos anos, tem havido avanços no tratamento, incluindo acetato de glatiramer 40 mg, o que reduz as injeções subcutâneas de uma semana para ser submetido a doentes de esclerose múltipla de 7 3 40mg 20mg, proporcionando o taxas de eficácia, segurança e tolerabilidade mesmos.

 

Europa Press. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta