4 coisas para mulheres com Esclerose Múltipla consideraram ao planejar a gravidez

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

A Esclerose Múltipla (EM) é uma condição crônico-degenerativa que ocorre três vezes mais frequentemente em mulheres do que em homens. A condição costuma ser diagnosticada durante os anos férteis das mulheres, o que pode aumentar a ansiedade relacionada à gravidez. As mulheres costumam se preocupar com a possibilidade de não conseguirem engravidar ou permanecer grávidas, ter filhos saudáveis ​​ou cuidar de uma criança enquanto lidam com uma condição crônica.

Muitas mulheres também se preocupam com o fato de que a gravidez, o parto e até mesmo os cuidados com o bebê possam afetar negativamente sua saúde depois de serem diagnosticadas com a Esclerose Múltipla. Uma pesquisa descobriu que mais de um terço das mulheres com Esclerose Múltipla decidiu não ter filhos ou alterar seus planos de ter filhos.

Mulheres com EM costumam ter gestações saudáveis

Embora existam certos desafios únicos que as mulheres com EM podem enfrentar se decidirem ter filhos, elas geralmente desfrutam de gestações e partos sem complicações. “Meu médico apoiou muito meu desejo de engravidar e definitivamente estaria aberto a minha busca por mais gestações , se eu quisesse”, disse Lindsey, uma mulher que foi diagnosticada com Esclerose Múltipla aos 25 anos, alguns anos antes de ela começar a pensar em formar uma família.

De acordo com o Dr. Erkan Buyuk, endocrinologista reprodutivo da Reproductive Medicine Associates de Nova York, no Hospital Mount Sinai, a EM não impede a gravidez ou aumenta o risco de gravidez não saudável. Uma comunicação transparente, um sistema de apoio e o desenvolvimento de um plano para antes, durante e depois da gravidez são coisas importantes a se ter em mente para todas as mulheres que estão pensando em engravidar. No entanto, esses ativos são particularmente importantes para mulheres que vivem com Esclerose Múltipla.

Elaborando um plano para antes, durante e depois da gravidez

Há vários aspectos específicos a serem considerados quando você está desenvolvendo um plano para tornar sua gravidez o mais confortável possível. Aqui estão 4 deles:

1. Qual a relação entre a gravidez e seus medicamentos para a EM?

Certos medicamentos para Esclerose Múltipla podem ser perigosos durante a gravidez e a amamentação. Os remédios para a EM têm uma seção sobre gravidez e lactação em suas bulas, o que ajuda a fazer escolhas individuais para mulheres com EM. É importante conversar com o seu médico para garantir que você está fazendo todo o possível para aumentar as chances de uma gravidez e filho saudáveis ​​e, ao mesmo tempo, controlar a EM.

2. Como você se sentirá quando estiver grávida se tiver EM?

Muitas mulheres podem ter menos recaídas durante a gravidez porque a gravidez às vezes pode protegê-las de surtos. No entanto, nem todas as mulheres grávidas com EM podem sentir esse alívio. Lindsey, por exemplo, não percebeu muitas mudanças em termos de Esclerose Múltipla durante a gravidez. “Eu acho que por causa de onde eu estava na progressão da doença, a gravidez realmente não afetou meus sintomas”, diz Lindsey. O Dr. Buyuk reitera essa ideia, dizendo: “Como as mulheres estavam antes de ficarem grávidas é o melhor indicador de como se sentirão durante e após a gravidez”.

Como a fadiga é comum para quem tem EM em geral, e também é comum durante a gravidez, planejar maneiras de lidar com a fadiga também pode facilitar a gravidez e a criação dos filhos. Por exemplo, pedir ajuda a pessoas em sua rede de apoio pode ajudá-la a preservar sua energia. Se existem atividades que você sabe que ajudam a restaurar sua energia, você também deve pensar em como incorporar essas coisas em sua rotina de uma maneira regular ao lidar com a gravidez e a criação dos filhos.

Nosso projeto Qualidade Vivida tem um vídeo incrível sobre gravidez e Esclerose Múltipla, confira!

3. O que acontecerá após a gravidez?

Recaídas após a gravidez ocorrem em cerca de um terço das mulheres com EM, por isso é importante que essas mulheres entendam que, embora possam ter menos recaídas durante a gravidez, as recaídas mais frequentes provavelmente retornarão três a seis meses após o parto. “Mulheres com EM tendem a ter menos recaídas durante o terceiro trimestre da gravidez”, diz o Dr. Buyuk, “mas muitas vezes experimentam mais recaídas logo após o parto, provavelmente por causa da dramática mudança nos hormônios que ocorre durante este período”.

A amamentação é outra questão pós-parto a se considerar. Conforme mencionado anteriormente, todos os medicamentos para Esclerose Múltipla têm uma seção sobre gravidez e lactação em suas bulas. As mulheres com EM são encorajadas a avaliar seu interesse em amamentar, e se estiverem dispostas, a discutir seu plano de tratamento com sua equipe médica.

A depressão pós-parto é uma complicação comum associada à gravidez e ao parto, e as mulheres com EM correm um risco maior. Portanto, é fundamental que eles estejam particularmente cientes de como estão se sentindo após a gravidez e que falem com seus profissionais de saúde se apresentarem sinais de depressão, para que esses problemas possam ser resolvidos de forma rápida e adequada.

Leia um depoimento emocionante sobre gravidez e EM

4. Como minha rotina de cuidados mudará?

Gravidez significa ir ao médico com mais frequência para exames. No entanto, as mulheres grávidas com EM também requerem atenção coordenada entre diferentes profissionais de saúde. Isso é para garantir que cada especialista tenha as informações adequadas para fornecer à sua paciente os cuidados de que ela precisa e que as melhores decisões clínicas sejam tomadas.

Por exemplo, mulheres com EM podem ter sensação pélvica diminuída e podem ter dificuldade para empurrar durante o trabalho de parto, tornando o parto por cesárea mais provável. Nesses casos, os anestesiologistas precisam colaborar com os outros médicos do paciente para determinar o melhor curso de ação em relação ao controle da dor. O Dr. Buyuk destaca que há também a necessidade de comunicação entre neurologistas e médicos com foco na gravidez: “Precisamos trabalhar com a equipe de atendimento integral da paciente para garantir que a gravidez corra da melhor maneira possível em todos os aspectos”.

Confira também algumas dicas para conciliar a gravidez e a EM

Em conclusão

É comum que mulheres com EM constituam família, e a condição não interfere especificamente na gravidez ou afeta o bebê. Mulheres que convivem com Esclerose Múltipla que estão interessadas em engravidar devem conversar com seu médico para começar a pensar em estratégias para a melhor maneira de planejar a gravidez, o parto e o período pós-parto. Segundo Lindsey, é importante ouvir o seu corpo durante todo o processo e cuidar de si. “Você conhece melhor o seu corpo”, diz ela, “então você tem que falar e deixar seu médico saber como você está se sentindo para que possa receber os cuidados de que precisa”.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais