Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Nesses tempos estranhos, em que vivemos uma pandemia e estamos submetidos a uma série de regrinhas para nossa sobrevivência. A primeira e principal delas é a do distanciamento.

Essa regrinha simples é a mais difícil de seguir, porque não gostamos de ficar distantes, principalmente daqueles que amamos.

Eu, particularmente, amo abraços. Não faço questão de beijinho no rosto e nem aperto de mão, mas adoro abraços apertados, daqueles que o som das batidas do meu coração se confunde com o som das batidas do coração de quem é abraçado. Um abraço rápido já serve como cumprimento, mas bom mesmo é aquele abraço longo.

E pode?

Pois bem, não pode. Para evitarmos o contágio, devemos evitar ao máximo esses contatos próximos. Mesmo entre pessoas que vivem na mesma casa, devemos evitar ao máximo. Obvio que não funciona. Principalmente pra quem tem crianças em casa. É inevitável o beijo de boa noite, o abraço pela manhã, um cafuné e uma conversa ao pé do ouvido. Mas a gente se restringe “aos de casa”, deixando a relação mais fria e distante com as outras pessoas.

Com o prolongamento sem fim dessa crise, vai se instalando na gente uma outra crise: a de abstinência de toque. Eu saio pouquíssimo de casa, somente em casos de necessidade, mas é inevitável encontrar conhecidos e amigos no caminho. É estranho e um pouco difícil conter o ímpeto de abraça-los.

É ainda mais difícil, doloroso mesmo, manter essa postura diante daqueles que amamos tanto. Tantas pessoas que amo e nem posso ver porque estão longe e resguardadas para sua proteção: meus sobrinhos, entre eles um que ainda nem conheço, meus pais e irmãos, meu filho. Todos morando em outras cidades, sem planos de um reencontro próximo.

Mas, porém, todavia, contudo

Tem aqueles que a gente encontra vez ou outra: minha sogra, minha filha, alguns amigos mais próximos. E são esses de quem mais sentimos falta dos abraços, porque estão ali, pertinho. Minha filha nos visita muito pouco, preocupada em não nos deixar doentes. Quando vem aqui, chega a brigar com as irmãs para que não a abracem. Nem sempre funciona, eu mesma quebro essa regra porque é impossível manter a compostura.

Essa semana quebrei a regra com uma amiga que amo tanto quanto uma irmã. Na verdade, quebramos a regra juntas. Depois de meses em que mal nos vimos e toda vez que nos víamos ficávamos à distância, dessa vez não deu pra suportar e nos entregamos num abraço apertado, longo e quentinho. Chorei quase de soluçar porque precisava tanto daquele abraço. De qualquer abraço, mas aquele em especial eu precisava muito e a muito tempo.

Manter a vigilância

Apesar dessa violação às regras, mantivemos as demais, é preciso manter a vigilância e o cuidado, principalmente quando deixamos de lado alguma das regras: ambas estávamos de máscaras e depois do abraço mantivemos a conversação à distância. Mas foi bom demais, certamente recarregou minhas baterias a um nível capaz de suportar com mais leveza um pouco mais desse tempo de trevas.

E o valor?

Esse é o valor de um abraço bem dado: transferência de energia vital, amor, segurança, calor, alegria.

Tô me sentindo rica!

 

Explore mais

Qualidade de Vida

Compartilhando minha história

Olá, lindezas. Tudo bem com vocês? Hoje eu vim compartilhar minha história.   Chamo-me Larissa. Fui diagnosticada com Esclerose Múltipla em 2014 e estou aqui para

Sintomas e Tratamentos

Possíveis e necessárias mudanças

por Suzana Gonçalves A cada passo na esclerose múltipla, estamos suscetíveis a surtos e sustos também, um novo processo pela frente e mais uma dose