2020, um ano de mudanças

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

por Bárbara Rodrigues 

A pandemia me mostrou muito mais do que eu poderia imaginar. Do dia pra noite, eu fui obrigada a entender que eu era de risco. Esse termo caiu feito uma bomba no meu colo e eu demorei a racionalizar isso de uma forma menos prejudicial pra minha saúde mental. Na verdade, o mais difícil foi ver grande perto das pessoas ignorando cuidados mínimos e o aumento de pensamentos do tipo “com você não vai acontecer”.

Por um tempo eu parei com tudo. Só pensava em limpeza e minha rotina virou um zero a esquerda. Aí que mora o X da questão.

Talvez o meu maior aprendizado nesse período foi o da grande necessidade de se ter uma rotina, mesmo que em isolamento. E sim, isso é possível. Aprendi que pode ser difícil construir isso com consistência e constância.

Usei literalmente meus conhecimentos em gestão de projetos (hahaha, sim, é verdade, afinal de contas, nosso maior projeto é nossa própria vida), e tentei colocar em prática um requisito por vez. Depois de levantar quais eram as necessidades do cliente (eu mesma), gerir riscos e possíveis restrições (que foram muitas – a maior, a minha incrível capacidade em procrastinar com tudo que considero importante), cheguei a conclusão qual seria a minha prioridade. Comecei colocando em prática pequenas coisas. Se parabenizar por cada fase concluída, mesma que seja um pequeno passo, é bem importante também. Voltar a fazer atividade física, ler um tempo por dia, colocar um hobby em prática e me alongar diariamente. Meditar diariamente sempre foi o topo da minha lista e junto com isso veio a necessidade de aprender mais sobre: adicionei mais estudo ao meu dia. Outra coisa bem importante, eu preciso ver o tempo, então abrir as janelas e arrumar a cama são grandes vitórias.

As lições que cada um vai levar são únicas e muito pessoais. O importante é cada um considerar aquilo que mais te tocou e entender que se fez diferença em sua vida, se te incomodou, se ainda ressoa de alguma forma, é preciso cuidar. Eu aprendi nesse período que muita coisa que eu considerava boba, faz falta. E passei a dar muito mais valor a minha casa, meu canto e minha rotina.

Espero que todos estejam bem. E a máxima “Fica em casa”, por mais velha que já pareça, ainda é viável pra gente, mesmo que já transformada em “se possível, fica em casa”. Fiquem bem, com o mundo e principalmente com vocês. ♥️

Um grande beijo!

Explore mais

Qualidade de Vida

Mudança de PERSPECTIVA

por Aline Souza Olá meus RAROS! Desde que fui diagnosticada com Esclerose Múltipla eu não tinha noção precisa do que era qualidade de vida.  Para