AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

TERAPIA DE CÉLULAS-TRONCO MOSTRA-SE PROMISSORA PARA EM

TERAPIA DE CÉLULAS-TRONCO MOSTRA-SE PROMISSORA PARA EM

Uma terapia experimental que destrói e, em seguida, “redefine” o sistema imunológico concedeu três anos de retrocesso a um pequeno grupo de pacientes com esclerose múltipla (EM), de acordo com pesquisadores.
Cerca de oito em cada dez pacientes que receberam este tratamento não apresentaram eventos adversos após três anos. E nove em cada dez não tiveram nenhum progresso ou recaída da EM, disse o autor Dr. Richard Nash, do Instituto de Câncer de Sanguíneo de Colorado localizado no Centro Médico Presbiteriano/St. Luke’s, em Denver.
“Acho que todos nós consideramos que esta é uma terapia viável”, disse Nash. “Ainda temos que realizar um ensaio clínico randomizado, mas até agora estamos todos muito impressionados com relação ao que já vimos.”
Na EM, o sistema imunológico do corpo ataca o sistema nervoso por algum motivo desconhecido, dirigindo-se em particular a camada isolante que cobre as fibras nervosas, de acordo com o National Institutes of Health. As pessoas com a forma mais comum da doença, conhecida como remitente-recorrente, sofrem ataques de agravamento da função neurológica (surto), seguidos de períodos de recuperação parcial ou total (remissão).
Ao longo do tempo, como o dano se acumula, os pacientes podem desenvolver debilidades físicas, problemas de coordenação e equilíbrio, e problemas com o pensamento e memória.
Esta nova terapia visa restaurar o sistema imunológico para destruí-lo usando altas doses de quimioterapia e, em seguida, reiniciando o uso de células-tronco do sangue do próprio paciente. Os médicos coletam e preservam as células-tronco do paciente, antes do tratamento, e reimplantam após a quimioterapia.
“Muitas células do sistema imunológico são destruídas, então ocorre uma espécie de ‘reinício’ imunológico após o tratamento”, disse Nash.
Nash e seus colegas tiveram a ideia de um tratamento semelhante para seus pacientes de câncer de sangue. “Sabíamos que o profundo efeito que a terapia em altas doses e transplante poderia ter sobre o sistema imunológico de pacientes com linfoma e mieloma”, disse ele.
Três anos atrás, um grupo de 24 pacientes com EM remitente-recorrente submeteu-se à terapia. Os pesquisadores planejam  monitorá-los por cinco anos para ver como o tratamento funciona a longo prazo.
Até o momento, 78 por cento dos pacientes apresentaram resultados positivos, o que os pesquisadores definiram como sobrevivência sem morte, doença de uma perda da função neurológica, sem novos surtos e lesões clínicas do sistema nervoso visíveis na ressonância magnética.
Cerca de 90% dos pacientes têm desfrutado de uma sobrevida livre de progressão, e 86% não tiveram recaída clínica, relataram os pesquisadores no 29 de dezembro no JAMA Neurology.
Nash disse que sua terapia pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla, e que se baseou em drogas para terapia biológica e específicas que bloqueiam o sistema imunológico.
“Os agentes que usamos não são caros. A maior despesa é o foco de apoio”, disse Nash, notando que as reações adversas e riscos para a saúde são a mesma vivida pelos pacientes com câncer de receber transplantes de medula óssea ou células-tronco. “Os agentes disponíveis são muito mais caros. Tratar EM talvez esteja tornando-se mais rentável.”
Mas Nash ainda não comprovou que a terapia cria uma melhoria duradoura. “Tenho certeza de que muitos pacientes entrarão em contato, mas ainda estamos em fase de investigação”, disse ele.
Outro especialista concordou. Bruce Bebo, vice-presidente executivo de pesquisa da National Multiple Sclerosis Society (National Multiple Sclerosis Society), disse que a pesquisa é interessante, mas precisa de mais acompanhamento.
“Talvez haja alguma coisa aqui, mas ainda é incerto até que vejamos os resultados de um teste maior e melhor controlada”, disse.
Também ressaltou a importância deste método ser avaliada em comparação com as terapias medicamentosas atuais para EM.
“Ele carrega um risco significativo, por usar drogas muito poderosas da quimioterapia para destruir o sistema imunológico, e carrega, inclusive, um risco de mortalidade”, disse ele.
Nas últimas duas décadas, centenas de pacientes com esclerose múltipla têm recebido tratamentos experimentais. Da mesma forma, os autores de um editorial que acompanha o estudo publicado na revista, Dr. Mateo Paz Soldan, da Universidade de Utah, e Brian Weinshenker, do Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota que nesses estudos anteriores, a sobrevivência livre de progressão variou entre menos de 40% a quase 80% entre dois e três anos. “Quanto mais tempo eles estavam rastreando, menor foram as chances de progressão da doença continuar”, afirmaram.

 

Fonte: HealthDay. Traduzido livremente, Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta