Outras doenças cerebrais revelam pistas para a EM primária progressiva!

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Apesar de muitos genes serem encontrados fatores que contribuem para o risco de desenvolver a esclerose múltipla, até agora a pesquisa não identificou genes específicos para o risco de desenvolver a forma primária progressiva da esclerose múltipla. Agora, um novo estudo internacional mostrou que alterações raras em genes que causam outras doenças cerebrais também podem desempenhar um papel na EM primária progressiva.

  • A EM primária progressiva é uma forma menos comum de esclerose múltipla, em que a deficiência se acumula desde o início da doença, em vez dos “ataques” intermitentes observados na EM remitente recorrente.
  • Até agora, a pesquisa genética não identificou quaisquer alterações genéticas específicas para este tipo de EM.
  • A triagem genética de pessoas com esclerose múltipla primária progressiva identificou quatro alterações genéticas raras que são conhecidas por causar outras doenças neurológicas que podem estar desempenhando um papel na esclerose múltipla primária progressiva.
  • Alterações genéticas relacionadas a uma doença neurológica chamada paraplegia espástica também foram mais comuns em pessoas com esclerose múltipla progressiva.
  • Essas novas descobertas genéticas podem ajudar a fornecer pistas sobre por que algumas pessoas desenvolvem a forma primária progressiva da EM e como podemos ser capazes de tratá-la para retardar ou impedir o acúmulo de deficiências.

A EM primária progressiva é uma forma menos comum de EM, onde a deficiência se acumula desde o início dos sintomas. Este tipo de EM tende a ser diagnosticado mais tarde na vida do que a forma remitente recorrente mais comum da EM. Também afeta homens e mulheres igualmente, enquanto a EMRR afeta três vezes mais mulheres do que homens. Até o momento, não há pistas de por que algumas pessoas desenvolvem as formas progressivas da esclerose múltipla.

Muitos grandes estudos internacionais analisaram a questão de saber se os genes de uma pessoa podem afetar seu risco de desenvolver a EM e agora se sabe que mais de 200 genes estão envolvidos no risco de desenvolver qualquer tipo de EM. No entanto, genes especificamente ligados ao risco de desenvolver EM progressiva primária não foram identificados.

Um novo estudo internacional , incluindo membros do consórcio australiano e neo-zelandês MS Genetics , procurou identificar se alterações raras nos genes poderiam estar ligadas à esclerose múltipla primária progressiva. Os pesquisadores analisaram especificamente os genes conhecidos por causar outros distúrbios neurológicos com sintomas semelhantes aos da EM progressiva.

A primeira etapa do estudo envolveu a triagem de todos os genes de 38 pessoas com esclerose múltipla primária progressiva e 81 pessoas sem esclerose múltipla. Essa tela identificou 15 alterações genéticas que provavelmente seriam significativas para a EMPP.

Todo mundo tem pequenas diferenças em seu código de DNA , mas olhando mais de perto os genes, os pesquisadores identificaram que estas eram raras mudanças de DNA não encontradas na maioria das pessoas e que elas provavelmente teriam consequências danosas à função de alguns tipos de células. Essas alterações genéticas também eram conhecidas por estarem ligadas a outros distúrbios neurológicos. É importante notar que eles não estavam presentes nas pessoas que não tinham EM.

Para confirmar se essas alterações genéticas estavam genuinamente ligadas à esclerose múltipla primária progressiva, os pesquisadores investigaram como comumente elas eram encontradas em outro grupo maior de pessoas com esclerose múltipla primária progressiva e pessoas sem esclerose múltipla. Eles também procuraram as mudanças em um grupo de pessoas com formas reincidentes de esclerose múltipla para ver se estavam especificamente ligadas à esclerose múltipla progressiva ou se simplesmente faziam parte da história genética de todas as pessoas com esclerose múltipla.

Quatro das 15 alterações genéticas foram identificadas como sendo especificamente importantes para a EM primária progressiva. Essas alterações foram associadas a um número de distúrbios com sintomas neurológicos que se agravam gradualmente – paraplegia espástica, leucodistrofia megalencefálica com cistos subcorticais e esclerose tuberosa.

Uma vez que duas das mudanças foram relacionadas à paraplegia espástica, os pesquisadores passaram a analisar se outras alterações genéticas ligadas a essa doença são mais comuns em pessoas com EM primária progressiva. Eles analisaram 169 alterações genéticas relacionadas à paraplegia espástica e descobriram que elas eram mais comuns, não apenas em pessoas com esclerose múltipla primária progressiva, mas também em pessoas com esclerose múltipla secundária progressiva. As alterações genéticas foram muito menos prováveis ​​de serem encontradas em pessoas com esclerose múltipla remitente recorrente, sugerindo que essas mudanças genéticas estão contribuindo especificamente para o risco de uma pessoa desenvolver um curso progressivo da doença.

Determinar o papel dos genes em influenciar se a EM de um indivíduo tomará um curso progressivo é extremamente importante para entender a biologia da EM progressiva e ajudará muito na busca de novas opções de tratamento que retardem ou parem o acúmulo de incapacidade para pessoas com progressiva doença.

Os próximos passos serão examinar mais de perto as funções biológicas desses genes e descobrir exatamente como eles tornam as pessoas mais vulneráveis ​​ao desenvolvimento de esclerose múltipla progressiva.

Fonte: Multiple Sclerosis Research Australia – Traduzido e adaptado – Redação AME: http://bit.ly/2RQWnM8

Explore mais

Mulher de cabeça baixa olhando para o celular. Texto à esquerda "Será que é EM?"
Diagnóstico

Será que é EM?

Está em dúvida se os sintomas que está sentido possam ser Esclerose Múltipla (EM)? Você pode ter pesquisado sobre a EM na internet e lido

Imagem com fundo cinza, à esquerda, o mapa do brasil pontilhado em tons amarelos e azuis. No canto inferior, à esquerda, em letras azuis "Por dentro do CNS", uma faixa amarela larga por trás das siglas "CNS" se prolonga até o canto inferior direito, onde tem escrito, de azul "ABR."
Conselho Nacional de Saúde

Por dentro do CNS: Abril

Em abril tivemos diferentes atividades dentro do CNS – Conselho Nacional de Saúde, entre elas, representamos o conselho na Audiência Pública sobre VACINAÇÃO CONTRA COVID-19