AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

O que há de novo na luta contra a EM?

O que há de novo na luta contra a EM?

Aqui está o que há de mais recente na pesquisa sobre uma doença complexa que afeta 400 mil norte-americanos

Complexo é uma boa palavra para descrever a esclerose múltipla. De acordo com a National Multiple Sclerosis Society, os sintomas podem variar de fadiga e dormência a problemas de visão, problemas de bexiga, dificuldade para caminhar e muito mais; e os sintomas individuais podem mudar ao longo do tempo, tornando a doença difícil de diagnosticar. O progresso e a gravidade da EM são imprevisíveis, os especialistas não sabem exatamente o que ela faz, e não há nenhuma cura conhecida.

O que sabemos é que a EM é uma doença crônica, potencialmente incapacitante na qual o sistema imunológico do corpo ataca o revestimento de proteção (chamado mielina) que cobre os nervos. Este dano interrompe a comunicação entre o cérebro, medula espinal e outras partes do corpo.

Aqui está uma visão geral do que há de mais recente em termos de pesquisas:

Toxina presente na carne poderia desencadear a EM.

Uma nova pesquisa apresentada em uma recente reunião da Sociedade Americana de Microbiologia acrescenta a evidência que sugere que uma toxina produzida pela bactéria Clostridium perfringens as – que é comumente encontrada em carnes cruas e aves e responsável por cerca de um milhão de casos de doenças transmitidas por alimentos a cada ano – parece atacar as mesmas células que são direcionados na EM. A ciência é muito preliminar para sugerir se a EM é causada por intoxicação alimentar, mas levanta a possibilidade de que as bactérias poderiam estar envolvidas no desencadeamento da doença, dizem os especialistas.

Vitamina D pode retardar sua progressão.

Das mais recentes descobertas na investigação sobre a “vitamina do sol”. Cientistas da Universidade de Harvard descobriram que ter níveis elevados  de vitamina D nos estágios iniciais da EM tendeu a reduzir a atividade da doença e sua progressão. Outra pesquisa sugeriu que ter níveis saudáveis ​​de vitamina D pode reduzir o risco de desenvolver esclerose múltipla e ajudar a reduzir a frequência e a gravidade dos sintomas. O Instituto de Medicina recomenda 600 unidades internacionais (IUS) de vitamina D por dia para adultos de até 70 anos de idade; e 800 UI diárias para 71 anos em diante. Grandes doses por um período prolongado de tempo, no entanto, podem levar a efeitos colaterais negativos e incertos.

A memória pode melhorar com treinamento.

Mais da metade das pessoas com EM sofre alterações cognitivas, de acordo com o National MS Society. Relatos de um ensaio clínico recente realizado pela Fundação Kessler mostram que um tipo específico de reabilitação de memória melhorou o aprendizado em pessoas com esclerose múltipla por pelo menos seis meses após o fim do treinamento. Um estudo pequeno, piloto do mesmo centro de pesquisa sugere que exercícios aeróbicos também pode ajudar com a memória. Os tratamentos atuais para EM incluem medicamentos e estratégias para o tratamento de surtos, controle dos sintomas e retardo da progressão. Muitas outras drogas e procedimentos estão sendo estudados, incluindo transplantes de células-tronco e até mesmo potenciais vacinas.

 

The Doctors, USA WEEKEND. Imagem: Creative Commons.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *