AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Neurocientista de Harvard revela: Meditação não só reduz o stress, como pode mudar o seu cérebro

Neurocientista de Harvard revela: Meditação não só reduz o stress, como pode mudar o seu cérebro

Sara Lazar, neurocientista do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School, foi uma dos primeiras cientistas a revelar reivindicações anedóticas sobre os benefícios da meditação e testá-los em varreduras do cérebro. O que ela encontrou a surpreendeu –  a meditação pode literalmente mudar seu cérebro. Ela explica:

Pergunta: Por que você começou a analisar a relação da meditação com o cérebro?

Lazar: Um amigo e eu estávamos treinando para a maratona de Boston. Eu tive algumas lesões de corrida, então eu consultei um fisioterapeuta que me orientou a parar de correr e apenas alongar. Comecei a praticar yoga como uma forma de terapia física, e comecei a perceber que era um exercício muito poderoso, que tinha alguns benefícios reais, então eu só consegui ficar interessada em como ele trabalhava no meu organismo.

O instrutor de yoga fez todos os tipos de observações: que a ioga iria aumentar a minha compaixão e abrir meu coração. E eu pensava: “Tá, tá, tá bom… eu estou aqui para me alongar.” Mas eu comecei a perceber que eu estava mais calma, e era mais capaz de lidar com situações difíceis. Estava mais compassivo e de coração aberto e capaz de ver as coisas do ponto de vista dos outros.

Eu pensei que talvez fosse apenas um efeito placebo. Mas então eu fiz uma pesquisa bibliográfica científica, e vi as evidências de que a meditação tinha sido associada com diminuição do estresse, diminuição da depressão, ansiedade, dor e insônia, além do aumento da qualidade de vida.

Nesse momento, eu estava fazendo meu PhD em biologia molecular. Então, eu apenas liguei os pontos e comecei a fazer esta pesquisa como um pós-doc.

Pergunta: Como você fez a pesquisa?

Lazar: O primeiro estudo analisou os meditadores de longo prazo contra um grupo de controle. Encontramos meditadores de longo prazo que têm uma maior quantidade de massa cinzenta na ínsula e regiões sensoriais do córtex auditivo, e sensorial. O que faz sentido. Quando você está consciente, você está prestando atenção à sua respiração, aos sons, à experiência do presente momento, e fechando a cognição para baixo. É lógico que seus sentidos seriam reforçados.

Também descobriram que tinham mais matéria cinzenta no córtex frontal, que está associada com a memória de trabalho e tomada de decisões executivas.

É bem documentado que nosso córtex encolhe quando ficamos mais velhos – é mais difícil de aprender e lembrar das coisas. Mas uma região do córtex pré-frontal dos meditadores 50 anos de idade teve a mesma quantidade de matéria cinzenta de jovens de 25 anos.

Assim, a primeira pergunta era: talvez as pessoas com mais matéria cinzenta no estudo tinham mais matéria cinzenta antes de começarem a meditar. Por isso, fizemos um segundo estudo.

Pegamos pessoas que nunca tinha meditado antes, e colocamos um grupo através de um programa de redução de estresse baseada na meditação por oito semanas.

Pergunta: O que você encontrou?

Lazar: Encontramos diferenças no volume cerebral após oito semanas em cinco regiões diferentes nos cérebros dos dois grupos. No grupo que aprendeu meditação, encontramos espessamento em quatro regiões:

1. A diferença principal, que encontramos no cingulado posterior, que está relacionado a uma mente errante, e auto relevante.

2. O hipocampo esquerdo, que auxilia na aprendizagem, cognição, memória e regulação emocional.

3. A junção temporo parietal, ou TPJ, que está associado com a perspectiva, a empatia e compaixão.

4. Uma área da haste do cérebro chamada de Pons, onde uma grande quantidade de neurotransmissores reguladores são produzidos.

5. A amígdala, parte de luta ou fuga do cérebro que é importante para a ansiedade, medo e estresse em geral. Essa área tem menor ação no grupo que passou pelo programa de redução de estresse baseada em meditação.

A mudança na amígdala também se correlacionou com uma redução nos níveis de stress.

Pergunta: Então, quanto tempo alguém tem que meditar antes de começar a ver mudanças em seu cérebro?

Lazar: Nossos dados mostram mudanças no cérebro após apenas oito semanas.

Em um programa de redução de estresse baseado na meditação, nossos sujeitos fizeram uma aula por semana. Eles receberam uma gravação e foram orientados a praticarem 40 minutos por dia em casa. E foi isso.

Pergunta: Então, 40 minutos por dia são suficientes?

Lazar: Bem, foi altamente variável no estudo. Algumas pessoas praticavam 40 minutos praticamente todos os dias. Algumas pessoas praticavam menos. Alguns apenas um par de vezes por semana.

Em meu estudo, a média foi de 27 minutos por dia. Ou seja, cerca de meia hora por dia.

Não há boa informação ainda sobre o quanto alguém precisa praticar para se beneficiar.

Professores de meditação podem dizer que não há absolutamente nenhuma base científica para isso, mas os comentários anedóticos de estudantes sugerem que a prática de 10 minutos por dia pode ter algum benefício subjetivo. Nós ainda precisamos testar esse ponto.

Estamos apenas começando um estudo que esperamos que nos permita avaliar quais são os significados funcionais dessas mudanças. Estudos feitos por outros cientistas têm demonstrado que a meditação pode ajudar a melhorar a atenção e regular as habilidades emocionais. Mas a maioria não foram estudos baseados em neuroimagem. Então, agora nós estamos esperando para realizar essa ciência comportamental e de neuroimagem juntos.

Pergunta: Dado o que sabemos a partir da ciência, o que você incentiva os leitores a fazerem?

Lazar: Meditação é apenas um exercício. É uma forma de exercício mental. E assim como o exercício aumenta a saúde e nos ajuda a lidar melhor com o estresse e promove a longevidade, a meditação pretende conferir alguns desses mesmos benefícios.

Mas, assim como o exercício, ela não pode curar tudo. Assim, a ideia é que seu papel seja útil como uma terapia adjuvante. Não é um autônomo. Tem sido tentado para muitos outros distúrbios, e os resultados variam muito – ela afeta alguns sintomas, mas não todos. Os resultados são por vezes modestos. E, logicamente, ela não funciona igual para todos.

Ainda é cedo para tentar descobrir o que ela pode ou não pode fazer.

Pergunta: Então, sabendo das limitações, o que você sugere?

Lazar: Ela parece ser benéfica para a maioria das pessoas. A coisa mais importante, se você estiver indo experimentá-la, é encontrar um bom professor. Porque é simples, mas é também muito complexo. Você tem que entender o que está acontecendo em sua mente. E contar com um bom professor neste processo ajuda muito!

Pergunta: Você medita? E você tem um professor?

Lazar: Sim e sim.

Pergunta: Que diferença isso fez na sua vida?

Lazar: Eu venho fazendo isso há 20 anos, por isso teve uma influência muito profunda em minha vida. É muito aterramento. É estresse reduzido. Isso me ajuda a pensar com mais clareza. É ótimo para interações interpessoais. Eu tenho mais empatia e compaixão pelas pessoas.

Pergunta: Qual é a sua própria prática?

Lazar: Altamente variável. Alguns dias 40 minutos. Alguns dias cinco minutos. Alguns dias, não em todos. É muito parecido com o exercício. Exercitar três vezes por semana é uma meta. Mas se tudo o que você pode fazer é apenas um pouco todos os dias, isso também é uma coisa boa. Tenho certeza que se eu praticasse mais, poderia me beneficiar mais. Eu não tenho ideia se eu estou passando pelas alterações cerebrais ou não. Mas isto é o que funciona para mim agora.

Washington Post – 26/05/2015. Traduzido livremente. Imagem: Creative Commons.

ame

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta