Estudo de Fase II mostrou que o ocrelizumab manteve uma redução significativa na atividade da EM por quase dois anos

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Os resultados do estudo mostraram que, durante o período de tratamento 24-96 semana nenhum paciente que recebeu uma dose de 600mg ocrelizumab desenvolveu uma lesão nova ou passou pela ampliação de antigas lesões no cérebro (monitorado por MRI). A taxa anual de recaídas (ARR), e a taxa de ataques clínicos ou surtos por paciente-ano, foi inferior a 0,2 ataques por paciente por ano em todo o período de 96 semanas. Os dados também mostram que, dos pacientes que completaram o estudo, dois terços dos pacientes no grupo de 600 mg eram isentos de qualquer atividade da doença (tal como medido por RMI, recidivas ou progressão neurológica) durante o período de tratamento de 96 semanas.

"Esta demonstração de eficácia a longo prazo de ocrelizumab confirma o benefício atraente demonstrado no primeiro período de tratamento de 24 semanas", disse Hal Barron, MD, Chefe de Desenvolvimento Global e Chief Medical Officer para a Roche. "Estes resultados indicam uma alta probabilidade de sucesso do programa em curso de Fase III em pessoas com esclerose múltipla remitente-recorrente. Além disso, um estudo está em andamento para avaliar o potencial benefício do ocrelizumab em pacientes com esclerose múltipla progressiva primária."

O perfil de segurança da ocrelizumab durante as 96 semanas do estudo foi consistente com o demonstrado nos dados anteriores de 24 semanas. Zero lesões novas foram notificadas e a taxa de lesões (e lesões graves) não aumentaram durante o período de tratamento. As taxas de lesões graves foram semelhantes para ocrelizumab 600mg (1,97 eventos / 100 pacientes / ano) e ocrelizumab 1000 mg (1,93 eventos / 100 pacientes / ano) e não aumentaram com o tempo de tratamento com o ocrelizumab.

Sobre o Ensaio clínico de fase III

O programa clínico de Fase III ocrelizumab, consiste em dois estudos em pessoas com esclerose múltipla remitente-recorrente (Fase I e II) e um estudo em pessoas com esclerose múltipla progressiva primária. O programa está na fase de reunir pacientes. Hoje, não há nenhuma terapia aprovada para o tratamento de EMPP, uma forma muito mais rara da doença, que afeta cerca de 10% das pessoas com EM.

 

Sobre ocrelizumab

Ocrelizumab é um anticorpo monoclonal de investigação, humanizado concebido para atingir seletivamente as células-B CD20-positivas, as quais se acredita desempenharem um papel crítico na esclerose múltipla (EM). Ele, em seguida, interage com o sistema imunológico do corpo para eliminar as células B CD20-positivas.

Divulga̤̣o Roche Р30/10/2015. Imagem: Creative Commons.

Explore mais

Ativismo e Direitos

Tudo o que você precisa saber sobre a Carteirinha da AME

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença crônica, autoimune, desmielinizante, inflamatória, que afeta o sistema nervoso central (encéfalo e medula espinhal). A maioria dos sintomas da EM são invisíveis, como o embaçamento da visão, formigamentos e perda da sensibilidade em determinada região do corpo, alterações urinárias e a fadiga – o sintoma mais comum da doença.

Além da dificuldade em lidar com sintomas que as pessoas ao redor não enxergam, há ainda o agravante de que 80% dos brasileiros não conhecem a Esclerose Múltipla. O que traz ainda mais desafios para o dia a dia da pessoa diagnosticada, que enquanto convive com a condição, precisa combater o preconceito e a desinformação, além de lutar para ter os seus direitos garantidos.
Pensando nisso, criamos a Carteirinha AME – um documento de identificação para que a pessoa com EM consiga comprovar em diversos estabelecimentos que possui Esclerose Múltipla e garantir os seus direitos.

Ativismo e Direitos

Aposentadoria por incapacidade na Esclerose Múltipla

Podem surgir algumas dúvidas quando o assunto é aposentadoria por invalidez para pessoas que convivem com Esclerose Múltipla (EM). Afinal, existem diferentes critérios e carências