Células imunológicas masculinas causam EM mais grave, sugere estudo

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

As descobertas podem ajudar a explicar por que homens biológicos com esclerose múltipla tendem a ter doenças mais graves

 

Devido às diferenças nos cromossomos sexuais, certas células do sistema imunológico causam doenças mais graves em homens do que mulheres, de acordo com um novo estudo em um modelo de esclerose múltipla (EM) em ratos.

O estudo, “O complemento cromossômico sexual masculino exacerba a patogenicidade das células Th17 em um modelo crônico de autoimunidade do sistema nervoso central”, foi publicado na revista Cell Reports.

O sexo biológico tem efeitos bem estabelecidos sobre a EM: os dados mostram que, embora as mulheres tenham uma probabilidade substancialmente maior de desenvolver o distúrbio, os homens geralmente têm uma doença mais grave. A razão para essa diferença, no entanto, não é totalmente compreendida.

Agora, uma equipe liderada por pesquisadores da Université Laval, no Canadá, buscou entender melhor como o sexo biológico afeta a atividade das células do sistema imunológico. Os pesquisadores realizaram uma série de experimentos em camundongos com encefalite autoimune experimental (EAE) – uma doença em camundongos comumente usada como modelo para a esclerose múltipla – para examinar as células que se acredita estarem envolvidas na condução da esclerose múltipla. Especificamente, a equipe analisou um tipo de célula imunológica chamada células T helper 17 (Th17).

Primeiro, células Th17 imunes foram retiradas de camundongos machos ou fêmeas e estimuladas para que se tornassem inflamatórias. Essas células foram então colocadas em outros camundongos.

A equipe descobriu que células Th17 de camundongos machos induziram EAE substancialmente mais grave do que células de camundongos fêmeas. Os resultados mostraram que os ratos que receberam células Th17 de fêmeas muitas vezes viveram por pelo menos 70 dias, enquanto os ratos que receberam células Th17 masculinas raramente viveram tanto tempo.

“Esses dados nos deram nossa primeira indicação de que as células Th17 masculinas têm uma maior capacidade patogênica intrínseca [causadora de doenças]”, escreveram os pesquisadores.

Notavelmente, essa diferença era independente do sexo do animal receptor. Em outras palavras, as células imunes Th17 masculinas induziram doenças mais graves em camundongos machos e fêmeas.

Outras experiências indicaram que as células Th17 masculinas produziram níveis mais elevados de interferon gama, uma molécula sinalizadora que promove a inflamação causadora de doenças na EM. As células masculinas também tinham maior plasticidade, que é a capacidade de mudar rapidamente a atividade celular.

Os pesquisadores então procuraram entender o que estava causando essa diferença baseada no sexo. Biologicamente, os homens têm um cromossomo X e um cromossomo Y, e seus corpos têm níveis mais altos de hormônios “masculinos”, chamados de andrógenos. Em contraste, as mulheres biológicas têm dois cromossomos X e níveis mais altos de hormônios “femininos”, como o estrogênio.

Primeiro, a equipe testou se a diferença na patogenicidade – ou na capacidade de causar doenças – relacionada ao sexo poderia ser resultado de diferenças hormonais. Para fazer isso, eles repetiram experimentos semelhantes de transferência de células usando células Th17 de camundongos que tiveram suas gônadas (glândulas responsáveis pela produção de hormônios sexuais, sejam ovários ou testículos) removidos cirurgicamente para que não produzissem hormônios sexuais.

Os resultados foram semelhantes aos experimentos originais: células Th17 de camundongos machos foram mais patogênicas e as de fêmeas foram menos patogênicas, independentemente das diferenças hormonais.

“Esses dados demonstram que o aumento da patogenicidade do Th17 masculino não é explicado pela presença de andrógenos ou pela ausência de hormônios sexuais femininos”, escreveram os pesquisadores.

Em outros experimentos, os pesquisadores criaram ratos que eram cromossomicamente machos ou fêmeas, mas produziram o conjunto oposto de hormônios. Independentemente dos hormônios, as células cromossomicamente masculinas (XY) Th17 eram mais patogênicas e mais plásticas do que as células cromossômicas femininas (XX), sugerindo que são os próprios cromossomos responsáveis ​​pela diferença baseada no sexo.

Os pesquisadores descobriram então que as células Th17 masculinas têm menor expressão de um gene ligado ao X chamado Jarid1c, que normalmente regula a atividade inflamatória. O aumento da expressão de Jarid1c em células Th17 masculinas as tornou menos patogênicas, enquanto as células femininas com expressão diminuída de Jarid1c foram mais patogênicas.

A equipe também descobriu que os níveis de Jarid1c estavam anormalmente baixos em células T retiradas de pessoas que convivem com esclerose múltipla, particularmente de pessoas do sexo masculino.

“Essas descobertas representam um avanço importante em nossa compreensão de como o sexo biológico age como um determinante da gravidade da doença na [EM]”, concluíram os pesquisadores. Pesquisas adicionais são necessárias agora para entender como o Jarid1c modula a gravidade da doença e se ele poderia ser usado como um alvo potencial de medicamento para MS.

 

Fonte: Multiple Sclerosis News Today

Tradução e adaptação: Redação AME – Amigos Múltiplos pela Esclerose

Explore mais