AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Alterações na temperatura e no sal afetam a mielina e aumentam o risco de EM, diz estudo

Alterações na temperatura e no sal afetam a mielina e aumentam o risco de EM, diz estudo

Mudanças ambientais, como altas temperaturas e alterações nos tipos e concentrações de sal, desencadeiam mudanças estruturais na mielina que podem aumentar o risco de esclerose múltipla (EM), de acordo com um novo estudo.

A pesquisa, ” Transições patológicas em membranas de mielina guiadas por condições ambientais e de esclerose múltipla “, foi publicada na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos EUA (PNAS) .

A condução eficiente dos impulsos nervosos requer uma estrutura saudável para a mielina, a camada protetora ao redor das fibras nervosas.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tel Aviv mostrou anteriormente que o dano à mielina estava associado a uma mudança estrutural, que alterava a mielina de uma pilha normal de camadas finas para tubos nanoescala relacionados à doença, chamados formas hexagonais invertidas. Esta alteração resultou de proporções lipídicas (gordura) alteradas e baixo teor de proteína básica de mielina (MBP) – a proteína chave na mielina – resultando em poros formando espontaneamente que aumentam a suscetibilidade a um ataque imune.

Com o objetivo de investigar as alterações ambientais que induzem essa mudança estrutural na mielina, os cientistas usaram técnicas de imagem, como espalhamento de raios X e microscopia eletrônica de transmissão criogênica, para monitorar e medir a mielina em estados saudáveis ​​e doentes in vitro (no laboratório; do corpo).

Eles primeiro avaliaram a influência da substituição do sódio pelo potássio, pois ambos são necessários para gerar impulsos nervosos e manter o equilíbrio de fluidos corporais. Em seguida, eles analisaram a influência do cálcio, pois desempenha um papel fundamental na liberação de neurotransmissores pelos neurônios; zinco, que regula o MBP; e magnésio, que afeta a atividade das células nervosas.

Os resultados mostraram que o tipo e a concentração de íons afetam diferencialmente a estrutura – em particular, o espaçamento entre as células e as camadas – da mielina saudável e doente.

Os pesquisadores também mostraram que elevações na temperatura tiveram o mesmo efeito, induzindo uma transição gradual para a estrutura de tubos em escala nanométrica a 42ºC (107,6ºF). A presença de MBP protegeu as camadas de mielina desta transição estrutural em temperaturas fisiologicamente relevantes.

“Descobrimos que, sob certas condições ambientais, como salinidade e temperatura elevadas, as bainhas de mielina que protegem os neurônios passam por transições estruturais consistentes com estruturas patológicas de mielina na esclerose múltipla”, disse Roy Beck, autor sênior do estudo, em um comunicado à imprensa .

“Essas pequenas modificações criam instabilidades estruturais que permitem ao sistema imunológico atacar os neurônios”, acrescentou Rona Shaharabani, primeiro autor do estudo.

No geral, a equipe concluiu que “as condições ambientais, como a salinidade do tampão e a temperatura, induzem a mesma transição de fase patológica, como no caso da composição lipídica na ausência de PAM. Essas descobertas demonstram que várias mudanças ambientais locais podem desencadear mudanças estruturais patológicas ”, escreveram os pesquisadores.

Eles agora estão investigando fatores que induzem mudanças na estrutura da mielina. Os candidatos existentes incluem “proteínas específicas e outras alterações nos ácidos graxos da mielina que são relevantes, o que pode desvendar percepções adicionais para combater a esclerose múltipla e distúrbios relacionados”, disse Shaharabani.

Shaharabani acrescentou que as descobertas podem ajudar a “explicar as causas da esclerose múltipla e talvez preparar o caminho para um tratamento ou uma cura”.

Fonte: Multiple Sclerosis News Today – Traduzido e adaptado – Redação AME: http://bit.ly/2Rzt1Sh

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS