Acessibilidade: muito além do design

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

Esse post faz parte de uma série de artigos, publicados no Blog de AI (http://arquiteturadeinformacao.com) sobre construir experiências que sejam acessíveis a mais usuários, e em novos contextos de uso. A ideia é encorajar mais designers a lerem, discutirem e promoverem a acessibilidade em suas empresas, comunidades e entre amigos.

A acessibilidade é um tema amplo e tem impactos em várias áreas. Tem a ver com permitir o acesso ou uso de produtos, serviços e informações, mas a acessibilidade vai muito além de interfaces digitais.

Veja abaixo alguns projetos que tornaram possível a inclusão de pessoas ao conhecimento, educação, arte e a sua própria cidade.

Acessibilidade na Educação

A partir de discussões em grupo sobre o tema da inclusão nas escolas, o SENAI-SP começou notar a necessidade real de repensar as formas de ensino, avaliação e certificação de alunos com deficiência. A primeira experiência aconteceu em 2010, com a criação de um certificado específico para pessoas com deficiência, no curso de aprendizagem industrial de assistente administrativo.

Durante o curso, o SENAI e a instituição parceira discutiram sobre a melhor maneira de levar o curso, desde a metodologia até o desenvolvimento de cada aluno. Os professores foram orientados a “elaborar situações de aprendizagem contextualizadas, com desafios de diferentes graus de complexidade, para permitir o desenvolvimento de todos os alunos em diferentes níveis.”

Todos os alunos tinham deficiência intelectual, mas o desenvolvimento deles eram muito diverso. A solução foi criar um certificado específico, que mostrasse exatamente o que cada um aprendeu, respeitando assim, o desenvolvimento individual de cada um. Desde então, outros cursos nessa linha foram criados pelo SENAI-SP, e embora a questão não esteja 100% resolvida, ela continua a buscar maneiras de profissionalizar alunos e tornar pessoas com deficiência aptas para o trabalho.

Acessibilidade no Transporte

Em um projeto de dez anos, o metrô da cidade de Fukuoka no Japão, tornou acessível o transporte público a milhões de pessoas. A ideia era criar um ambiente de boa mobilidade e menos barreiras, além de tornar as informações fáceis de ser entendidas por todo mundo.

Algumas das melhorias incluem:

– Movimento de linhas universal: o layout da estação permite que os passageiros se movam livremente pela arquitetura usando a rota mais curta possível. Entradas e saídas sempre levam a um elevador ou escada rolante do metrô em carros equipados para levar cadeirantes.

– Instalações universais: máquinas de bilhetes foram montadas abaixo do normal para acomodar cadeiras de rodas, bem como passageiros em pé. A ponta magnética da bengala branca usada por usuários com deficiência visual chama automaticamente o elevador e abre as portas por meio de sensores.

– Conforto espacial: grandes átrios e materiais transparentes são usados ​​para trazer luz natural no subsolo e proporcionar uma sensação de espaço.

– Informação visual: cada estação tem sua própria cor, material de parede e símbolo único, tornando mais fácil para as crianças e pessoas que não falam japonês identificar.

A linha Nanakuma tem atraído a atenção mundial e ganhou vários prêmios como um exemplo de acessibilidade.

Acessibilidade e Mobilidade

Nessa área, o projeto individual de um estudante pernambucano se destaca. Depois de entrevistar pessoas com deficiência visual, Marcos Antônio da Penha descobriu que a bengala não evita acidentes, pois a parte superior do corpo fica desprotegida.

Assim, ele desenvolveu um óculos inteligentes para auxiliar pessoas com deficiência visual se locomoverem. O dispositivo PAW (project annuit walk) localiza objetos num ângulo de 120o e pode informar o melhor percurso a seguir. “Quando um obstáculo é identificado, os óculos sincronizam com o aplicativo. Então temos mapeado os pontos mais críticos de uma cidade.”

Acessibilidade na Arte

O Museu De Young, em San Francisco, desenvolveu um programa único que permitirá visitas guiadas por um robô para aqueles que não podem visitá-lo fisicamente.

Enquanto outros museus têm desenvolvido programas inovadores para expandir a acessibilidade, como passeios especiais para deficientes auditivos e visuais, os guias turísticos robóticos do De Young representam um importante passo em direção a maneira como as organizações pensam sobre inclusão.

http://arquiteturadeinformacao.com. Imagem: Creative Commons.

Explore mais