Como tudo começou…

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter

por Fabiana Rosa

Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉

Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em 2017, me sentir totalmente sem chão. Eu já havia ouvido falar da doença, mas jamais achei que aconteceria comigo. Na verdade, ninguém gostaria de receber um diagnóstico desses. Mesmo, porque meu primeiro sintoma foi em 2014 fiquei 3 anos em busca de um diagnóstico. Foram exames atrás de exames, médicos atrás de médicos… Um tempo doloroso e sofrido, desanimo e lágrimas.

Até que em 2017, fui agraciada por um médico. Meu neurologista até hoje.

 Eu digo que foi ele que me achou, foi ele que me “abraçou” e me acolheu como sua paciente.

E quando eu enfim recebi o diagnóstico da EM foi um branco que deu na minha cabeça. Eu só queria chorar e chorar…

Não foi muito fácil, na verdade foi bem difícil. Chorava muito, e não queria ver e nem falar com ninguém. Foi assim por uns 3 meses, até me dar conta de tudo o que estava acontecendo na minha vida naquele momento. Sofri preconceito e discriminação no começo. Com o passar do tempo, sofri meu primeiro surto e único até o momento em 2019, tive uma falha terapêutica. E tive que fazer pulsoterapia por 5 dias. Eu tenho problemas na marcha, por conta da minha Síndrome Piramidal, quase não tenho equilíbrio. Mas aí vocês me perguntam:

– Por que você está falando isso Fabi?

Porque foi nesse momento em que me encontrava perdida, me sentido sozinha que eu descobrir através do autocuidado e da empatia que eu descobri mulheres e homens como eu nas redes sociais. Percebi que não estava sozinha, que havia muito apoio, conselhos, palavras de conforto e carinho. E hoje eu sou muito grata a cada um deles que me fazem compreender como é viver com Esclerose Múltipla, como é viver e aceitar a minha sequela (pois eu tenho perda de força e dormência na perna direita), por conta da demora do diagnóstico.

E a partir desse momento, eu resolvi recomeçar. Resolvi andar para frente, mas dessa vez em um caminho totalmente diferente. Não posso voltar atrás e mudar o que aconteceu, mas descobri que sempre há uma oportunidade de recomeçar. Me permitindo começar quantas eu quiser e quantas vezes forem necessárias. Crescendo em cada tropeço, e fazendo dele um novo recomeço. 😊

Esse processo não é fácil, mas é o que me dá motivos para viver a vida da melhor maneira possível.

Explore mais

Coronavírus

O caminho de volta

por Suzana Gonçalves Há quase dois anos fomos literalmente surpreendidos pela pandemia, dúvidas no ar… Como nossos corpos com esclerose múltipla irão se  comportar diante

Diagnóstico

Como tudo começou…

por Fabiana Rosa Olá, meu nome é Fabiana Rosa, mas você pode me chamar de Fabi 😉 Quando recebi meu diagnóstico do Esclerose Múltipla em