AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

“As bactérias intestinais são um fator de risco para a esclerose múltipla”””

“As bactérias intestinais são um fator de risco para a esclerose múltipla”””

Xavier Montalban é um dos principais especialistas europeus nesta doença neurodegenerativa crônica que afeta principalmente mulheres jovens. O tabaco, a falta de exposição ao sol e uma dieta rica em sal e gordura também são fatores de risco para esta doença.

A esclerose múltipla é uma doença neurodegenerativa crônica que afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo; a maioria são mulheres jovens entre 20 e 40 anos. Na Espanha a cada ano cerca de 1.800 novos casos são diagnosticados. Junto com epilepsia, esta é uma das doenças neurológicas mais comuns e a principal causa de incapacidade em jovens, sendo superada apenas por acidentes automobilísticos.

Ela é uma doença autoimune, tal como a doença de Crohn, lúpus ou artrite reumatoide. O sistema imunológico "erra" e, em vez de vírus e bactérias, que começa a atacar a mielina, o tecido que reveste os nervos e permite a transmissão de impulsos rapidamente. Quando um tipo de células de defesa, os linfócitos atacam a mielina, que se inflama, os nervos começam a não ser mais capazes de enviar impulsos eléctricos da mesma maneira.

Xavier Montalban é um dos principais especialistas sobre a doença. Ele é o chefe da Neuroimmunology no Hospital Vall d'Hebron e lidera o Centre d'Esclerose múltipla de Catalunya (CEMCAT). Ele presidiu a conferência em Barcelona realizada recentemente, o Comitê Europeu Para Tratamento e Pesquisa da doença (ECTRIMS), o mais importante dedicado a esta patologia, em que foram abordadas algumas descobertas recentes, tais como o papel da microbiota (bactérias intestinais) no desenvolvimento da doença e um novo medicamento para a esclerose múltipla progressiva primária.

O que provoca essa doença?

Nós não sabemos exatamente. O gatilho está parcialmente em um componente genético (já foram identificados cerca de 200 genes envolvidos na predisposição para a doença). Mas a genética não é suficiente. Se você tem esclerose múltipla, seu irmão gêmeo idêntico tem 30% de chance de ter também. Portanto, os fatores ambientais influenciam muito.

Quais são esses fatores ambientais?

Para começar, o vírus. Sabemos que o Epstein-Barr está muito envolvido nos mecanismos que causam a doença. Depois, há outros fatores que podem servir para a profilaxia ou prevenção. Por exemplo, níveis baixos de vitamina D, sabemos que aumentem a susceptibilidade à doença, e também a pioram. Fumar, e ter dietas ricas em sal alteram o sistema imunológico e pioram a doença. Também a microbiota intestinal.

Como as bactérias em nosso intestino estão relacionados com a esclerose múltipla?

Esses dois quilos de microorganismos que têm um papel-chave para treinar o sistema imunológico para ensinar a diferença entre o que é, ou não, uma ameaça externa. Alterações nestas bactérias podem tornar as nossas defesas não tão bem treinadas. E existem ainda vários estudos que mostram que a mudança de uma certa maneira na composição da microbiota intestinal pode ser um elemento positivo para prevenir a progressão da doença. O último fator que afeta o desenvolvimento da doença em pessoas jovens com sobrepeso; favorece a susceptibilidade de seu desenvolvimento.

A maior parte destes fatores são igualmente observados em outras doenças autoimunes, tais como a doença de Crohn.

Na verdade, muitos destes fatores indicam apenas uma predisposição para uma doença autoimune. Agora, se você acabou de desenvolver Crohn, um problema de tireoide ou esclerose múltipla, sim, ai certamente irão entrar em jogo os seus genes. Nem eles são tão diferentes das outras doenças e sabemos que existem pacientes com diversas doenças imunológicas ao mesmo tempo.

Por que afeta mais as mulheres?

Especula-se que este é um fator hormonal. Os hormônios desempenham um papel-chave no sistema imunológico e sabemos que na gênese da doença. Durante a gravidez, as mulheres com esclerose múltipla, por exemplo, parecem estar protegidas contra surtos de doenças pós-parto enquanto [no período pós-parto], quando as mudanças de perfil hormonal, são mais propensas a ter um. Vimos também que as mulheres com a doença, se forem submetidas a tratamentos de fertilidade, fertilização in vitro, podem favorecer a presença de ataques.

De acordo com a Federação Internacional de Esclerose Múltipla (MSIF), existem 2,3 milhões de pessoas com esta doença no mundo e o número está aumentando.

O que isso significa?

Dois fatores devem ser tidos em conta. Por um lado, a prevalência, que é o número de pacientes por 100.000 habitantes. Depende de muitos fatores, incluindo que cada vez menos pessoas morrem devido a doenças, o que significa que cada vez mais pessoas vivem por muito tempo doentes. Depois, há o efeito, que se refere ao número de casos novos por 100.000 habitantes. E este número está claramente em ascensão, está duplicando e em todo o mundo, também. As mulheres fumam mais, passamos mais tempo no escritório sem tomar sol, temos cada vez menos equilíbrio e mais dietas ricas em sal. Cada vez temos mais higiene, o que nos impede de infecções, mas que em troca aumentam as doenças imunológicas que sofremos. É muito difícil identificar quais destes fatores é mais importante.

Temos medicamentos eficazes contra a doença?

Neste momento, para a forma mais prevalente de esclerose múltipla, em surtos, que responde por 85% dos casos envolvendo quatro mulheres para cada homem entre 25 e 30 anos, temos 10 medicamentos que comprovadamente tem eficácia. Com eles, nós estamos atuando positivamente para modificar a história natural da doença. Por outro lado, para a esclerose múltipla primária, que afeta entre 10 e 15% dos pacientes, que geralmente têm cerca de 40 anos e homens e mulheres são igualmente prováveis, estamos mais órfãos de tratamento. Este tipo de esclerose múltipla não é baseado no agravamento repentino, mas num aumento progressivo da doença. Todos os medicamentos desenvolvidos até agora para este tipo da doença falharam.

Um farmacêutica recentemente anunciou que tinha tido sucesso no desenvolvimento de um anticorpo monoclonal que se mostrou ser eficaz contra a esclerose múltipla progressiva primária.

Este é o Ocrelizumab e ele foi apresentado no Congresso Europeu sobre esta doença que acabou de acontecer. Ele ataca os linfócitos B, que desempenham um papel fundamental no mecanismo de causar a doença. O ataque, impede que o sistema imunológico destrua a mielina. Parece melhorar não só os estágios menos agressivos mas a forma progressiva da doença.

Existem biomarcadores para prever o risco de doença?

Por agora, os biomarcadores que nos permitem identificar são aqueles que já tiveram um primeiro surto e parece ser esclerose múltipla, mas ainda não preenchem todos os critérios para o diagnóstico desta doença. Biomarcadores nos permitem identificar o risco, seja alto ou baixo, de que a pessoa acabe desenvolvendo. Temos também fatores prognósticos para essas pessoas que estão em fases muito precoces da doença. E agora começamos a ter rótulos de segurança, permitindo-nos melhorar o tratamento. Agora, a partir do Centre d'Esclerose múltipla de Catalunya (CEMCAT) estamos coordenando um projeto de biomarcadores internacionais.

Em que consiste?

Um número de centros, especialmente na Europa, mas em todo o mundo, fizemos parcerias para manter as amostras clínicas e pacientes com EM com o objetivo de identificar biomarcadores específicos para o diagnóstico, prognóstico e para dar o melhor a resposta ao tratamento.

Existem declínio cognitivo relacionado com a doença?

Cerca de 30% dos pacientes que sofrem de uma desordem cognitiva sob a forma de velocidade de processamento deficiente do pensamento de atenção imediata. Trabalho no CEMCAT do transtorno, e uma das principais funções do centro é a neuropsicologia. Nós valorizamos o déficit e tentamos estabelecer terapias cognitivas para aliviá-lo. Além disso, em alguns casos, cerca de 3% dos pacientes realmente desenvolvem demência.

Você tem razões para olhar com otimismo para a doença?

Eu sou um otimista com os pés no chão. Estamos em um bom momento, porque temos muitas drogas que provaram ser eficazes. E demos o primeiro passo para o tratamento da forma progressiva. Sempre que sabemos mais mecanismos da doença. No momento em que formos capazes de encontrar uma droga que seja neuroprotetora e regenerativa, a qual ainda não temos, ai sim eu vou ser ainda mais otimista.

http://www.lavanguardia.com – 13/10/2015. Traduzido livremente.

ame

A AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose nasceu do sonho de divulgar a EM e contribuir com a busca de diagnóstico precoce, tratamento adequado e melhora na qualidade de vida dos pacientes, seus amigos e familiares. Somos uma Organização sem Fins Lucrativos que, desde 2012 reúne amigos múltiplos com uma missão de compartilhar informação de qualidade sobre a EM de forma gratuita e acessível.

VER TODOS POSTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.