AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Neurite Óptica

O que é?
Inflamação do nervo óptico (o nervo óptico é responsável pela transmissão da imagem captada pelo olho até o cérebro).

Como é diagnosticada?
Os pacientes geralmente se queixam de diminuição súbita da visão, caracterizada por embaçamento das imagens, mancha escura no centro do campo de visão, redução do brilho e desbotamento das cores.
Alguns pacientes podem apresentar dor ao movimentar os olhos.
O exame oftalmológico completo é fundamental para que se chegue ao diagnóstico correto.
Testes complementares como exame do campo visual e exame de imagem da cabeça (ressonância magnética) são comumente utilizados.

Neurite óptica e a esclerose múltipla (EM)
Aproximadamente50 a 60% dos pacientes que apresentam neurite óptica desenvolvem EM ao longo do tempo.
O inverso também é verdadeiro, ou seja, aproximadamente 50 a 60% dos pacientes com EM apresentarão episódio(s) de neurite óptica durante a vida.
Outro dado importante é que, em 20% dos casos de EM, a primeira manifestação é a neurite óptica.

Tratamento
O tratamento do episódio de neurite óptica pode ser feito com pulsoterapia de corticóide (injeção endovenosa) seguido de corticóide via oral. Isso aumenta a velocidade de recuperação, mas não altera a capacidade visual final. Por isso, em alguns casos, aconselha-se apenas observação.
Uma vez estabelecido o diagnóstico de EM, o tratamento da própria EM com medicações adequadas (ex.: interferon, glatiramer) é fundamental para reduzir a quantidade e gravidade das complicações da doença.

Prognóstico
As chances de recuperação da visão após episódio de neurite óptica são boas.
Após a recuperação, muitos pacientes relatam redução permanente da percepção de contraste e das cores no olho afetado.
Além disso, alguns pacientes apresentam o chamado sinal de Uhthoff, que é caracterizado embaçamento da visão quando aumenta a temperatura do corpo (ex.: exercício, banho quente).
Aproximadamente 30% dos pacientes que já apresentaram neurite óptica terão outro episódio no mesmo olho ou no outro olho ao longo da vida.

Colaborador: Dr. Vinicius Saraiva (CRM-SP 97.303)

Graduado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (1999), residência médica em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo (2003), doutorado em Medicina (Oftalmologia) pela Universidade Federal de São Paulo (2004) e pós-doutorado pela University of Toronto, Canadá (2007). Fez fellowship de Patologia e Oncologia Ocular na McGill University, Canadá (2003-2005) e clinical fellowship de doenças e cirurgia de retina e vítreo na Dalhousie University e University of Toronto, Canadá (2006-2007). Atualmente é oftalmologista da Universidade Federal de São Paulo. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Oftalmologia, atuando principalmente nos seguintes temas: doenças e cirurgia de retina e vítreo e melanoma uveal.

 E por falar em neurite óptica…

Exposição na vida moderna é uma escolha!

Oi, pessoal! Estou prestes a completar um ano de diagnóstico e esta é uma data que marca muito a vida de quem descobre qualquer patologia que terá de conviver por toda a vida, acredito eu. Tomarei a liberdade de escrever um pouco para as pessoas que escolhi, a dedo, para

Ler Mais

Uma Esclerosada no Caminho – Percursos do Caminho Francês, de Santiago de Compostela

Até hoje eu não sei quando essa vontade de percorrer o Caminho de Santiago chegou para mim, mas faz muito tempo que essa ideia me visita. Em 2015, eu decidi que a minha hora tinha chegado. Comuniquei às minhas filhas e pais que faria o Caminho Francês, de Santiago de

Ler Mais

A doença como uma oportunidade de crescimento

Todos nós temos, ou já tivemos a impressão que doenças graves só vão nos acometer na velhice. Talvez, nem nos preocupamos muito com a saúde quando somos jovens, porque temos aquela vaga ideia de que doença é coisa de terceira idade. Claro que existem exceções, existe pessoas que cuidam da

Ler Mais

Escolhas Múltiplas

Recebi o diagnóstico de Esclerose aos 24 anos, no início tinha até medo de falar o nome” Esclerose Múltipla” , quando recebi o diagnóstico achei que minha vida iria acabar, que me tornaria um peso morto, chorei muito até porque o surto que tive havia afetado minha perna esquerda. Quando

Ler Mais