AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Dor

A dor é um sintoma comum na EM, com até dois terços das pessoas com EM relatando dor em estudos mundiais. Aqueles que experimentam dor podem achar que isso afeta suas atividades da vida diária, como trabalho e recreação, e seu humor e prazer da vida.

Por que a dor ocorre na EM e quais são os tipos mais comuns?

Os tipos de dores na EM podem ser o resultado dos músculos ficarem fatigados e estirados quando são usados ​​para compensar os músculos enfraquecidos pela EM. Pessoas com esclerose múltipla também podem experimentar mais dor do tipo esfaqueamento que resulta de sinais nervosos defeituosos que emana dos nervos devido a lesões de esclerose múltipla no cérebro e na medula espinhal.

As síndromes dolorosas mais comuns experimentadas por pessoas com EM incluem:

  • cefaleia (mais observada na EM do que na população geral)
  • dor contínua em queimação nas extremidades
  • dor nas costas
  • espasmos tônicos dolorosos (uma cãibra, puxando dor)

Os especialistas geralmente descrevem a dor causada pela EM como neurogênica musculoesquelética, paroxística ou crônica.

A dor musculoesquelética pode ser causada por fraqueza muscular, espasticidade e desequilíbrio. É mais frequentemente visto nos quadris, pernas e braços e particularmente quando os músculos, tendões e ligamentos permanecem imóveis por algum tempo. Dor nas costas pode ocorrer devido ao assento inadequado ou postura incorreta durante a caminhada. Contraturas associadas à fraqueza e espasticidade podem ser dolorosas. Espasmos musculares ou cãibras (chamados espasmos) podem ser graves e desconcertantes. Os espasmos das pernas, por exemplo, ocorrem frequentemente durante o sono.

As dores paroxísticas são observadas entre cinco e dez por cento das pessoas com esclerose múltipla. A mais característica é a dor facial da neuralgia do trigêmeo.

Lhermitte é uma sensação de esfaqueamento elétrico, correndo da parte de trás da cabeça até o giro causado por dobrar o pescoço para frente. A medicação é de pouca utilidade porque esta dor é instantânea e breve, mas os anticonvulsivantes podem ser usados ​​para prevenir a dor, ou um colarinho macio para limitar a flexão do pescoço.

A dor neurogênica é a mais comum e angustiante das síndromes dolorosas na EM. Essa dor é descrita como constante, chata, ardente ou formigante intensa. Isso geralmente ocorre nas pernas.

Os tipos de parestesia incluem alfinetes e agulhas, formigamento, tremores, dores ardentes, sensação de pressão e áreas de pele com sensibilidade aumentada ao toque. As dores associadas a estas podem ser dor, latejante, esfaqueamento, tiro, roer, formigueiro, aperto e dormência.

Os tipos de disestesia incluem queimação, dor ou cintilação ao redor do corpo. Estes são de origem neurológica e às vezes são tratados com antidepressivos.

Fonte: Multiple Sclerosis International Federation

 E por falar em dor…

Qualidade de Vida

O assunto que me traz aqui hoje é Qualidade de Vivida. Para mim, “Qualidade de Vida” é poder cuidar da minha saúde de acordo com as exigências da Esclerose Múltipla. Quais são? Ter acesso à medicação, sem interrupção; praticar regularmente atividade física; ter uma alimentação saudável; ter condições de pagar as atividades

Ler Mais

Revisão do Benefício

Meu post desse mês trata da carta que recebi do INSS LEIA MAIS AQUI me convocando para “revisão do Benefício” LEIA MAIS AQUI .Estou aposentada por invalidez há mais de dez anos. Fui surpreendida pela médica perita dizendo que estava encaminhando para análise a solicitação da minha aposentadoria. Em menos de 15 dias

Ler Mais

Fadiga, instabilidade e visão dupla

Olá, amigos múltiplos! Eu sempre gosto de postar notícias bacanas, mas dessa vez os sintomas voltaram de forma mais agressiva. Não sei se porque estou com infecção urinária – é sabido que qualquer infecção pode simular surto – ou se estou em surto propriamente. Fato é que quinta-feira farei ressonância

Ler Mais