AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

Ressonância Magnética (RM)

A Ressonância Magnética (RM) é um exame de imagem que permite que a informação detalhada sobre a estrutura do cérebro, medula espinal e outras partes do corpo. Ao contrário de raios-X ou tomografia computadorizada, nenhuma radiação. Hoje ele é considerado como o mais sensível e mais completo para diagnosticar a esclerose múltipla (EM) e controlar a sua evolução técnica.

Como funciona?

A RM mede o teor de água dos tecidos do corpo, através da aplicação dos campos magnéticos. Muito resumidamente, mede a aplicação de campos magnéticos e as alterações de sinal de movimento de protões de hidrogênio (composto principalmente por água); Este sinal é captado pelo aparelho de ressonância magnética e um programa irá transformar este sinal em imagens. As pessoas com esclerose múltipla têm áreas onde a mielina foi danificada. Um sinal será produzido e, portanto, mostrará uma imagem diferente em cada caso. Um especialista em neuroradiologia é capaz de detectar essas áreas patológicas e sugerir um possível diagnóstico de EM.

Utilidades da RM

A Ressonância Magnética do Cérebro é a mais sensível para detectar a presença de lesões inflamatórias-desmielinizantes características do sistema nervoso central (cérebro e medula espinal). Na verdade, a utilização de RM do cérebro permite o diagnóstico da EM muito mais cedo; Em alguns casos, pode ser realizada logo após o primeiro sintoma (anos atrás uma média de oito anos era necessária para diagnosticar a EM).
Assim, a RM permite:

Diagnosticar a doença.

Após a apresentação de uma síndrome clinicamente isolada (ACS, o primeiro sintoma da doença) ou outros sintomas sugestivos de uma doença desmielinizante, a presença de lesões morfologicas típica e em particular a localização permite um diagnóstico de EM.

Proporcionar informação sobre o prognóstico da doença.

O número de lesões no cérebro comparadas em diferentes RMs podem ajudar o neurologista a estabelecer o risco de desenvolvimento de novos sintomas.

Fornecer informações sobre a atividade da EM, ajudando na tomada de decisões de tratamento. O neurologista pode recomendar, após o tratamento ou indicar qual droga é mais adequada em cada caso, com o aparecimento de novas lesões na RM do cérebro e/ou a presença de lesões  “ativas” que o contraste captura.

 

Fazer ou não uma Ressonância Magnética?

Sempre que sintomas sugestivos de doença do sistema nervoso central são observados, o neurologista provavelmente irá recomendar uma ressonância magnética. Uma vez que o diagnóstico de EM é estabelecido, quase sempre não é necessário fazer mais imagens de ressonância magnética para confirmar. No entanto, para o acompanhamento e monitoramento do paciente e para tomar as melhores soluções terapêuticas, seu neurologista pode solicitar este teste com uma freqüência variável.

Os profissionais de saúde muitas vezes discordam sobre a forma como uma ressonância magnética deve ser feita.

Você pode ter que realizar este exame com mais freqüência, de acordo com a evolução da EM, ou com um intervalo de tempo um pouco maior.

É importante que, se possível, a RM seja sempre realizada em um mesmo centro ou clínica, para facilitar a comparação das imagens e a verificação de se há ou não há lesões novas.

Embora alguns pacientes possam perceber como pode ser desconfortáveis ​​fazer o exame de Ressonância Magnética, ele é extremamente importante para seu médico chegar a um bom diagnóstico e, em seguida, ter o melhor tratamento possível.

 E por falar em ressonância magnética…