AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

CIS – Síndrome Clínica Isolada

Síndrome clínica isolada (CIS) é um dos cursos da EM . CIS refere-se a um primeiro episódio de sintomas neurológicos que dura pelo menos 24 horas e é causado por inflamação ou desmielinização (perda da mielina que cobre as células nervosas) no sistema nervoso central (SNC). O CIS pode ser monofocal ou multifocal:

  • Episódio monofocal : A pessoa experimenta um único sinal ou sintoma neurológico – por exemplo, um ataque de neurite óptica – causado por uma única lesão.
  • Episódio multifocal : A pessoa experimenta mais de um sinal ou sintoma – por exemplo, um ataque de neurite óptica acompanhada de dormência ou formigamento nas pernas – causada por lesões em mais de um lugar.

O episódio geralmente não apresenta febre ou infecção associada e é seguido por uma recuperação completa ou parcial.

Progressão do CIS para EM

Indivíduos que experimentam CIS podem ou não desenvolver EM. Ao diagnosticar o CIS, o profissional de saúde enfrenta dois desafios: primeiro, determinar se a pessoa está passando por um episódio neurológico causado por danos no SNC; e segundo, para determinar a probabilidade de que uma pessoa passando por esse tipo de evento desmielinizante venha a desenvolver a esclerose múltipla.

  • Alto risco de desenvolver esclerose múltipla : Quando o CIS é acompanhado por lesões cerebrais detectadas por ressonância magnética (RM) que são semelhantes àquelas observadas na esclerose múltipla, a pessoa tem 60 a 80 por cento de chance de um segundo evento neurológico e diagnóstico de esclerose múltipla. anos.
  • Baixo risco de desenvolver EM : Quando o CIS não é acompanhado por lesões cerebrais detectadas por RM, a pessoa tem cerca de 20% de chance de desenvolver EM no mesmo período de tempo.

De acordo com as revisões de 2017 dos critérios diagnósticos para EM , o diagnóstico de EM pode ser feito quando o CIS é acompanhado por resultados de ressonância magnética (lesões antigas ou cicatrizes) que confirmam que um episódio anterior de dano ocorreu em um local diferente no SNC. O novo critério também prevê a presença de bandas oligoclonais no líquido cefalorraquidiano de uma pessoa para ajudar no diagnóstico. À medida que a tecnologia de ressonância magnética se torna mais avançada, é provável que o diagnóstico de esclerose múltipla seja feito mais rapidamente e haja menos pessoas diagnosticadas com CIS.

Um diagnóstico preciso neste momento é importante porque as pessoas com alto risco de desenvolver EM são encorajadas a iniciar o tratamento com uma terapia modificadora da doença a fim de retardar ou prevenir um segundo episódio neurológico e, portanto, o aparecimento da EM. Além disso, o tratamento precoce pode minimizar a incapacidade futura causada por uma maior inflamação e dano às células nervosas, que às vezes são silenciosas (ocorrendo sem nenhum sintoma perceptível). Vários medicamentos são agora aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para CIS.

Quem recebe o CIS e quando?

Como a EM, o CIS é duas a três vezes mais comum em mulheres que em homens. Setenta por cento das pessoas diagnosticadas com CIS estão entre as idades de 20 e 40 anos (média de 30 anos), mas as pessoas podem desenvolver CIS em idades mais jovens ou mais jovens.

Como o CIS é diferente da EM?

Com base apenas nos sintomas clínicos, o CIS e a EM podem parecer os mesmos. Em ambos, o dano à bainha de mielina (desmielinização) interfere na maneira como os impulsos nervosos são transportados do cérebro, resultando em sintomas neurológicos.

  • Uma pessoa com CIS, por definição, está experimentando o primeiro episódio de sintomas causados ​​por inflamação e desmielinização no SNC; uma pessoa com EM sofreu mais de um episódio.
  • Com CIS, uma ressonância magnética pode demonstrar danos apenas na área responsável pelos sintomas atuais; com a EM, pode haver múltiplas lesões na ressonância magnética em diferentes áreas do cérebro.
  • De acordo com as revisões de 2017 dos critérios diagnósticos para a EM, quando o CIS é acompanhado por achados específicos na RM que demonstram que outro episódio ocorreu no passado, o diagnóstico de EM pode ser feito. A presença de bandas oligoclonais no líquido cefalorraquidiano de uma pessoa também pode ajudar a fazer o diagnóstico.

Fonte: National MS Society