AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

EM infantil

Prevalência

Embora a EM ocorra mais comumente em adultos, ela também é diagnosticada em crianças e adolescentes . Estimativas sugerem que 8.000-10.000 crianças (até 18 anos de idade) nos Estados Unidos têm EM, e outras 10.000-15.000 tiveram pelo menos um sintoma sugestivo de EM. Estudos sugerem que de dois a cinco por cento de todas as pessoas com EM têm uma história de início dos sintomas antes dos 18 anos.

Diagnóstico e sintomas

O diagnóstico da EM em crianças é mais desafiador do que em adultos, devido à frequência de outros transtornos na infância, com sintomas e características semelhantes. Os pediatras podem não estar familiarizados com a EM porque não esperam vê-la em crianças. As crianças com EM se beneficiam de cuidados abrangentes através de equipes multidisciplinares que incluem especialistas em pediatria e adultos com EM.

Uma vez diagnosticada, quase todas as crianças são consideradas pacientes de EM remitente-recorrente , com a maioria dos sintomas de EM semelhantes aos observados em adultos. Há, no entanto, sintomas experimentados por crianças que não são típicas em adultos, como convulsões e alterações do estado mental (letargia).

  • As crianças muitas vezes experimentam recaídas mais freqüentes do que os adultos com esclerose múltipla precoce.
  • Evidências crescentes sugerem um curso mais lento da doença em crianças com esclerose múltipla, mas a deficiência significativa pode se acumular em uma idade mais precoce, em comparação com indivíduos com esclerose múltipla de adulto.

Em crianças e adolescentes, a EM pode afetar o desempenho acadêmico, as relações familiares e complicar ainda mais as questões típicas como auto-imagem e relacionamento com os pares. Uma avaliação por um profissional treinado pode ajudar a determinar intervenções apropriadas, e recursos estão disponíveis para ajudá-lo a navegar no sistema escolar.

Fonte: National MS Society