AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

LIGUE (11) 3181-8266

All Posts by Bete Tezine

Bete Tezine

Eu costumo dizer que já devo ter nascido esclerosada, pois nunca tive a destreza e a energia das outras crianças para correr, pular e brincar. Aos 13 anos tive minha  primeira crise de vertigens, tão acentuada, que não conseguia parar em pé. Me levaram ao médico, ele me examinou e me encheu de vitaminas, sem um exame sequer.

O tempo passou, eu cresci com as crises de vertigens ficando cada vez mais constantes e, para complementar, passei a ter crises de enxaquecas também. Eu perdi a conta de quantos neurologistas eu procurei, de quantas tomografias eu fiz, a quantos exames otoneurológicos fui submetida e de quantos medicamentos para labirintite e dor eu ingeri. Depois do nascimento da minha segunda filha, há quase 15 anos, um outro sintoma passou a me incomodar muito, dores fortes e debilitantes nas pernas, razão pela qual busquei vários cirurgiões vasculares e todos, sem exceção, não diagnosticaram nada que pudesse justificar as dores que eu sentia.

Há cerca de 10 anos, tive um problema no olho direito, eram dores lancinantes que me obrigavam a manter a mão sobre ele, porém, o oftalmologista também não encontrou o que estava afetando meu olho e, com o passar dos dias, a dor desapareceu.Paralelo a tudo isso, fui percebendo que a cada dia me sentia mais cansada, sem forças, sem disposição, dormia a noite inteira e acordava pior do que quando fui dormir. Eu sabia que algo estava errado comigo, no entanto, os médicos não descobriam, aliás, nem se interessavam em descobrir, chegando mesmo a dizer que era tudo psicológico, que era criação da minha cabeça.

E, assim, fui vivendo, sem nenhuma qualidade de vida, deprimida, sofrendo, pois achava que nunca iria saber o que me fazia sentir tanta dor, tonturas e fadiga extrema, até que, em setembro de 2011, percebi que tudo que eu tocava com meu pé esquerdo estava quente, embora  ele estivesse com a mesma temperatura do outro pé. No dia seguinte, essa sensação de calor já estava tomando conta de todo lado esquerdo do meu corpo e, aliado a isso, senti total perda de sensibilidade além de sentir dores muito fortes, o que para mim era um total paradoxo. Não sentia o toque, mas sentia dor. Notei, ainda, que estava com andar de bêbado e que minha coordenação motora fina, de ambas as mãos, estava bem prejudicada. Então,começou uma nova peregrinação pelos consultórios médicos. Eu tenho 10 pinos e 1 placa no tornozelo esquerdo por conta de uma fratura, portanto, os médicos atribuíram o que eu estava sentindo à inflamação nessa região e me receitaram anti-inflamatórios que nada resolveram. Porém, quando cheguei no médico que fez a minha cirurgia, ele descartou a teoria dos demais médicos e me encaminhou para o neurologista, no qual eu cheguei em dezembro, 3 meses após o início dos sintomas.

Lembro nitidamente da sensação que senti quando a neurologista, após me examinar, começou a me fazer perguntas que eu, na ocasião e na minha total ignorância sobre o que eu tinha, achei completamente descabidas, mas que depois descobri serem totalmente pertinentes. Assim, coisas que para mim estavam passando desapercebidas, como a dificuldade urinária, por exemplo, foram sendo lembradas diante dos questionamentos a que ela me submeteu.

Saí da consulta com várias guias de exames e, em 01 de fevereiro de 2012, recebi o diagnóstico oficial de Esclerose Múltipla e, 02 meses depois, iniciei o uso do interferon, 3 vezes por semana. Sendo assim, meu diagnóstico é relativamente recente, no entanto, como disse no início, acredito que já nasci esclerosada.

Todos os posts de Bete

Angústias traduzidas…

25 de abril de 2016 | Emoções

  Pior é que eu berrei. Berrei com o pior tipo de desespero do mundo. Meu silêncio, meu conformismo, minha aceitação, minha quase maturidade. Eu tenho a impressão que a hora que eu chorar, vai ser das coisas mais tristes do mundo. (Tati Bernardi) No dia 02 de abril, minha parceria com

Ler Mais

Reflexão sobre um termo (quase) utópico: ética

11 de abril de 2016 | Ativismo e Direitos

Vejo pessoas pregando moral, respeito, ética, justiça, mas percebo que nem mesmo sabem os verdadeiros significados desses valores. Devem ver outra pessoa no espelho quando se dizem praticantes dos mesmos. Seja bom ou seja ruim, seja sempre você mesmo! Mais atitude e menos blá blá blá ! (Alan Lopes Luiz)

Ler Mais

A vida continua depois do diagnóstico

24 de março de 2016 | Emoções

  Somos seres humanos normais que, apenas, em um ou outro momento da vida, fomos contemplados, por assim dizer, com uma companhia mal vinda, mas que, com muita paciência e cuidado, podemos torná-la menos insuportável, menos indigesta, menos indomável… (Bete Tezine)   No momento em que nos descobrimos acometidos por

Ler Mais

Tantos são raros…

10 de março de 2016 | Ativismo e Direitos

  No último dia de cada mês de fevereiro, desde 2008, cerca de 70 países celebram o Dia mundial das doenças raras, com o objetivo de conscientizar sobre a condição de vida das pessoas que convivem com patologias que, pelo seu grau de incidência (1 a cada 2 mil pessoas)

Ler Mais

Quando a dor é do outro

22 de fevereiro de 2016 | Emoções

  É incrível como certas pessoas têm a (nada invejável) capacidade de menosprezar a dor alheia e, isso, é uma habilidade tão inerente ao caráter delas que nem devíamos mais nos admirar com alguns tipos de atitudes e comentários de gente assim, mas nós ainda nos surpreendemos, ainda nos irritamos, ainda

Ler Mais

Benditos os que mantém a boca fechada quando não possuem nada de bom a dizer!

08 de fevereiro de 2016 | Emoções

  Se tem uma fala que mexe com as minhas estruturas é ouvir, principalmente daqueles que tinham por obrigação saber o que a Esclerose Múltipla é capaz de fazer com o meu corpo, “ah! mas você estava tão bem até agora pouco!”. Isso me deixa, para não ser grosseira e

Ler Mais

Para refletir

21 de janeiro de 2016 | Ativismo e Direitos

  Quando perdemos o direito de ser diferentes, perdemos o privilégio de ser livres (Charles Evans Hughes)   O Estatuto da Pessoa com Deficiência, que entrou em vigor no começo deste mês, traz no capítulo que trata do direito ao transporte e à mobilidade, mais especificamente no caput do artigo 47,

Ler Mais

Somos incomparáveis

15 de janeiro de 2016 | Emoções

  Por favor, não se compare com ninguém, sempre existirá alguém melhor que você em alguma coisa, mas jamais igual. Se comparar é falta de amor a si, um tiro na autoestima. (Roger Stankewskia)   Eu acredito que cada ser humano é único em todas as suas facetas e  se

Ler Mais

Retrospectiva

21 de dezembro de 2015 | Emoções

  Então é Natal, e o que você fez? (Trecho música Então é Natal, composição Cláudio Rabello)   Final de ano e, como em todos os outros, costumo fazer uma retrospectiva da minha vida para ver como ficou os ponteiros da balança em relação aos fatos negativos e positivos. 2015,

Ler Mais

Se tantos se chocaram, por que tantos ainda desrespeitam?

03 de dezembro de 2015 | Ativismo e Direitos

  Esperamos que cada um que se revoltou, na internet, seja uma VOZ REAL na luta pelos nossos direitos. (Mirella Prosdócimo)   Hoje, no mundo inteiro, acontecem ações para estimularem as reflexões sobre os direitos da pessoa com deficiência, em comemoração ao Dia internacional da pessoa com deficiência, instituído pela

Ler Mais