Minha história com a EM

31 . Mar . 2017   /  Emoções

22 de abril de 2016. Viagem em família. Foz do Iguaçu. Após conhecer a Usina de Itaipu, voltamos para o hotel descansar, estávamos cansados e no dia seguinte conheceríamos as Cataratas do Iguaçu, mas eis que amanheço no hospital, com tonturas intensas, náuseas e vômito. Passamos a noite no hospital, (meu marido, pai e mãe). Após um teste de gravidez que deu negativo, fui medicada e liberada. Conheci as cataratas quase “morrendo”, pois passei uma das piores noites da minha vida. Voltamos no domingo para Telêmaco Borba, cidade natal. Ainda não estava muito bem, continuava com as tonturas e vômito. Segunda-feira pela manhã procuramos um médico com quem trabalhei e confio e após um teste rápido de equilíbrio ele solicitou uma ressonância magnética. Na sexta dia 29 04 2016 minha mãe retira o exame, como já estava em Castro, pedi que ela levasse ao médico, solicitou que procurássemos urgentemente um neurologista, após isso ela me ligou e me informou que o resultado estava alterado e que teríamos que procurar um neuro, sem chão já, pedi que ela me enviasse uma foto do laudo, para ler mesmo sem entender nada. Confesso que quando li “ CONSIDERAR A POSSIBILIDADE DE ESCLEROSE MÚLTIPLA”, passou muitas coisas em minha cabeça. Então como era leiga no assunto fui procurar saber o que era essa tal de Esclerose Múltipla, até porque o nome assusta, e a internet assusta muito mai. Meu marido e eu começamos a pesquisar e não gostamos nem um pouco do resultado, então prometi a mim mesma, que só iria procurar mais sobre isso quando um médico confirmasse o diagnóstico. Após um fim de semana que parecia que não passar, pois a consulta com o neuro estava marcada para dia o dia 03 de maio (terça-feira), eu me vi desesperada, pois sabia que algo estava acontecendo comigo, e não podia fazer nada, a não ser esperar. Dia 03 de Maio, minha mãe que desde do início esteve comigo me acompanhou na consulta com o neuro juntamente com meu marido, contamos tudo para o médico, ele leu o laudo, viu as imagens da RM, confirmou mais uma vez toda a história de novo do que tinha acontecido, parou e falou: - Vocês já sabem o que é EM . Então nos explicou c pacientemente e com toda delicadeza. No fim da consulta eu simplesmente não havia falado nada, nem perguntado nada, estava tentando assimilar tudo aquilo e qualquer palavra que saísse da minha boca naquele momento, sairia junto com lagrimas que sabia que não iria conseguir controlar na frente do médico, então fiquei em silêncio, pensativa e segurando as lagrimas, enquanto minha mãe e meu marido enchiam o médico de perguntas. Depois que saímos do consultório e fomos para rua eu desabei, chorei, chorei como uma criança, não me importava que as pessoas estivessem vendo, simplesmente abracei meu marido e minha mãe e chorei por uns 5 minutos. Após isso fizemos nossas ligações, para minha irmã que estava angustiada e para meu pai que estava sofrendo pois não estava perto para cuidar da filha. Resumidamente foi assim a descoberta EM, após o suspeita do diagnóstico, foram realizados mais exames de sangue e punção lombar, o qual foi mais um indicador para confirmar o diagnóstico. Como a EM não tem cura, mas tem tratamento, faço uso diário de uma medicação injetável desde Julho, conseguimos muito rápido a medicação. Em maio, entre os exames e a chegada da medicação tive o segundo surto, o qual tratei com a pulsoterapia, muito sofrido, altas doses de corticoides. Hoje estou bem e a EM está sendo tratada, faço exames regurlarmente e acompanhamento médico. Entre exames de rotina que faço da EM descobrimos que eu tinha um pre disposição a Diabetes, até ai tudo bem, nada com que me preocupar, com realização de mais alguns exames que já deu um pouco alterado, o médico pede pra que eu evite doces, nada com que me preocupar. Após isso ganhei peso, sentia uma fome insaciável, muita cedo, e vontade de ir no banheiro, como tinha consulta no final do mês de novembro com o neuro, fiz alguns exames de rotina, esses exames me deram algo para se preocupar, a Glicose que estava em 100 mgdl no ultimo exame de agosto estava em 199 mgdl de jejum no mês de novembro, opa algo aconteceu, eu tinha cortado os doces e o açúcar como o médico pediu, como deu tão alterado assim . Com isso descobrimos que tenho Diabetes, provavelmente desencadeada pela pulsoterapia, procuramos um endócrino o qual solicitou mais alguns exames para que saber qual tipo é, para começarmos o tratamento. Quinta –feira agora volto ao endorino já com os resultados dos exames, e assim já saberemos qual estratégia prosseguir. Pessoal essa é minha história, bem resumida para que todos soubessem como foi a descoberta da EM e DM. Hoje estamos vivendo um dia de cada vez, lutando diariamente contra esses leões. Sempre estarei atualizando vocês de como estou enfrentando essa batalha. Desculpa a demora para contar a história, mas estava sem cabeça para pensar com a recém descoberta da DM, peço encarecidamente que vocês orem por mim e por minha família que está passando tudo isso comigo. Obrigada e abraços. Até em breve

Fonte: Jessica Betim Santos de Souza

Tags: diagnóstico , esclerose múltipla , viagem

mail link