APRENDENDO COM A ESCLEROSE MÚLTIPLA

24 . Fev . 2017   /  Qualidade de vida

Oie meus amigos múltiplos, tudo bacaninha com vocês?

Então, o assunto é manter o bom humor e a positividade sempre ou quase sempre! Bom, as pessoas sempre me perguntam como eu consigo ser sempre animada, alegre e uma coisa que eu também me pergunto, como consigo tranqüilizar as pessoas que me procuram com suas queixas, dúvidas, incertezas e assim por diante.

Eu descobri, depois da EM, que muitas das coisas que eu me importava eram banais, então perdia muito tempo e energia com elas. Sendo assim, aprendi a dar importância para o que realmente importa e descartar aquilo que não. Contudo, a vida se mostrou mais densa e séria. Afinal não é tão simples você começar a conviver com uma doença crônica e que até o momento não há cura. Portanto, eu comecei a observar tudo e todo o momento que meu corpo alertava alguma sensação nova, conversava com o meu médico e assim fui aprendendo. Claro que sem descartar algumas idas à São Paulo de emergência que apenas a nossa conversa não iria adiantar.

Hoje, comemorando 10 anos de diagnóstico, posso dizer que se aprendi alguma coisa sobre EM nesses anos, eu digo que sim, e algumas coisas muito importantes como é a influência do seu estado emocional nos sintomas, sequelas e surtos. Percebo na pele, na força, no equilíbrio, o poder que tem um estado tenso, nervoso ou ansioso, no paciente. Tenho uma leve opinião de que a EM, é muito mais complexa do que realmente se mostra. Confio que hábitos saudáveis fazem bem à saúde no geral, mas não creio em tratamentos baseados apenas em doses altas de vitaminas ou em alimentos x ou y regados a muita yoga e meditação que podem barrar a EM.

Sabendo do bem estar que ficamos quando estamos relaxados, até entendo, afinal os sintomas podem desaparecer com um dia de noiva no SPA, por exemplo. Ainda mais que com esses anos de experiência e dois medicamentos pra EM nas costas, percebi que o pior que sentimos diariamente, pode nem ser da EM e sim do medicamento e seus efeitos colaterais. Outro aprendizado que tive, foi entender que a doença ela é personalizada, não é porque temos o mesmo diagnóstico é que vamos sentir tudo igual, os mesmos sintomas. Sintomas e sequelas são referentes às lesões causadas no sistema nervoso central durante o ciclo da EM, portanto cada um tem uma doença diferente dos outros, porém com algumas semelhanças e intensidades únicas.

Eu posso sentir uma dormência no meu rosto do lado esquerdo, que nem me chama atenção enquanto o outro sente a dormência do mesmo lado, mas muito mais evidente, que lhe incomoda.

Esses foram alguns pontos que aprendi com a EM porém, ela me ensinou muito mais, mas foi assim que escolhi não deixar de ser a mesma menina mulher de sempre. Cheia de alegria e vontade de viver, então, procuro pensar positivo sempre que necessário e refletir nos momentos bons também. Me sinto feliz a maioria do tempo, tirando os dias que sofro de TPM que misturada a EM, vira o samba do criolo doido.... Afff Não costumo pensar no futuro, vivo o presente e me recordo do passado com apenas saudades.

Me sinto lisonjeada em poder confortar alguém com as minhas palavras, minha vivência e minha amizade. Sou abençoada de ter feito tantos amigos queridos através do meu trabalho como blogueira. Vou me realizando com que faço, amo vocês!

Sou da opinião que viemos a esse mundo não foi à toa e que se nada dê certo, estamos nos divertindo. Amigos queridos vou deixando vocês por aqui, lhes desejando um ótimo carnaval!

Milhões de beijinhos e até mais.

Fabi

Fonte: Fabi Dal Ri Barbosa | Redação Blog AME

Tags: alegria de viver , bem estar , carnaval , Esclerose Multipla , qualidade de vida

mail link