Amamentação, Esclerose Múltipla e a minha escolha.

00 . . 0000   /  Qualidade de vida

Oi Pessoal, tudo certo por ai? Por aqui, a vida segue impermanente e agora com o bebezinho, um tanto quanto frenética rsrsrs

Vamos lá, quis aproveitar essa semana do #DiaMundialDoAleitamentoMaterno para falar de um tema que tem tomado conta dos meus dias atualmente, e gera bastante polêmica na vida das mamães com e sem EM.

Quando engravidei, meu maior sonho era poder amamentar meu bebê, mas por conta do diagnóstico e possíveis riscos no pós-parto, não sabia se seria possível. Como já senti na pele, o quanto é importante uma boa manutenção e equilíbrio do sistema imunológico e de nutrição para as boas respostas do meu organismo, eu desejo profundamente que meu filhote tenha a oportunidade de receber o melhor alimento que existe para nutrir seu corpinho, o leite materno.

Logo, conversei com o neuro e o obstetra, expliquei para ambos sobre meu desejo e minha posição, sobre a retomada dos medicamentos. Como já estou há aproximadamente 6 anos em remissão, a decisão que tomei junto com os médicos, foi a de seguir sem os medicamentos e amamentar. Obviamente como tudo na vida, existe todo um risco no pós-parto, mas eu decidi seguir em minha escolha. Vou amamentar meu filho até quando isso for possível e volto a pensar no tratamento mais para frente.

Este foi o momento em que passou um filme pela minha cabeça de toda a restrição e esforço de disciplina que tive durante anos para me "limpar" e buscar um estilo de vida mais saudável (reeducação alimentar, prática de exercícios físicos, maior controle emocional, etc). Seis anos "controlando" meu corpo, experimentando novas e boas rotinas me possibilitaram hoje, escolher correr este risco com um pouco mais de segurança e confesso que com o coração mais tranquilo.

Algumas pesquisas apontam uma redução nos surtos, nos períodos de gestação e amamentação...eu prefiro acreditar que elas estão certas e seguir em frente :)

Durante esta fase, é muito importante uma alimentação da mãe rica em nutrientes e intensa hidratação para a produção do leite. Eu continuo inclusive, tomando o suplemento que tomava durante a gestação para proteger minha imunidade e ainda não retornei aos exercícios físicos, o que acredito que farei de forma lenta e gradual.

Senti bastante dificuldade para amamentar logo no começo pois, tive apojadura precoce, meu leite desceu antes e de uma só vez, o que fez com que eu passasse quase 12 horas na maternidade com o leite empedrado e dores fortíssimas. Foi muito importante aprender a "pega" correta e como drenar o excedente, sem causar mais produção e "ingurgitamento", que faz com que o neném não consiga sugar e machuque muito os seios.

Mesmo com toda esta experiência difícil logo no começo, amamentar foi o maior presente que eu recebi na maternidade e eu não quero abrir mão disso, mesmo sendo uma etapa de muitos desafios. Dói, cansa, dá fome, sede, frio, calor e enche o coração de amor.

Vale a pena cada gotinha sugada <3 

Um beijo grande e o desejo de muito sucesso para as mamães que optem por amamentar seus pequenos!!!

#AEMNãoPodeMeImpedir

#VivendoMeuSonho

#QualidadeVivida

#QualidadeDeVida

#BlogSobreviver

mail link