Conheça Melhor o Seu Remédio - Aubagio (Teriflunomida)

08 . Jun . 2017   /  

O que é o Aubagio?

O Aubagio (Teriflunomida) é um fármaco modificador da doença para EM remitente recorrente.   Aubagio é um medicamento oral, tomado uma vez por dia para reduzir o número e a gravidade dos surtos. Em comparação com placebo, reduz em 30% a quantidade de surtos de EM. Em ensaios clínicos, os exames de ressonância magnética mostraram que as pessoas que tomavam Aubagio tinham menos, menores ou não novas áreas de EM ativa (lesões). Aubagio também pode retardar a acumulação de deficiência associada à EM.

Quem pode tomar Aubagio?

Aubagio pode ser prescrito para adultos com EMRR. No Brasil foi aprovado como medicamento de primeira linha, ou seja, pode ser o primeiro medicamento prescrito a/ao paciente, mesmo sem tomar outra medicação anterior. Em janeiro de 2017 Aubagio entrou para Consulta Pública para ser dispensado pelo SUS, sendo aprovado em abril (veja mais sobre esse processo AQUI

Contra-indicações

É importante que você informe a sua equipe médica se você tiver algum problema de saúde ou estiver tomando outros medicamentos. Aubagio pode não ser apropriado se você tiver condições médicas existentes, incluindo: problemas hepáticos graves, problemas graves que afetam o sistema imunológico e problemas significativos que afetam a medula óssea ou a contagem reduzida de células sanguíneas (por exemplo, anemia, leucopenia, neutropenia ou trombocitopenia).

Concepção e gravidez

Você não deve engravidar enquanto toma Aubagio. Com base em dados em estudos com animais, existe um risco aumentado de ter um bebê com defeitos congênitos se Aubagio for tomado durante a gravidez. Aubagio permanece no sangue por um longo período de tempo depois de parar o tratamento, então esse risco pode continuar por até dois anos. As mulheres em idade fértil devem utilizar um método eficaz de contracepção durante o tratamento e durante dois anos após a interrupção de Aubagio. As mulheres que suspeitam que estão grávidas enquanto tomam Aubagio, ou nos dois anos após a interrupção do tratamento, devem entrar em contato com sua equipe médica imediatamente para um teste de gravidez. Se o teste confirmar a gravidez, os níveis sanguíneos de Aubagio podem ser reduzidos rapidamente a níveis seguros, tomando certos medicamentos (colestiramina ou carvão ativado).

As mulheres que desejam engravidar devem parar de tomar Aubagio. A remoção de Aubagio pode ser acelerada usando os medicamentos descritos acima. Um exame de sangue pode confirmar que os níveis de Aubagio são baixos o suficiente para que seja seguro tentar engravidar.

Quais os efeitos colaterais que posso ter com o Aubagio?

 

Os efeitos colaterais comuns do tratamento incluem sensação de mal-estar, diarreia e queda do cabelo que podem ocorrer durante os primeiros meses de tratamento, mas geralmente melhoram nos meses seguintes. O aumento dos níveis sanguíneos de enzimas hepáticas também pode ocorrer.

Efeitos colaterais comuns (que afetam mais de 1 pessoa em 100)           

Aumento dos níveis de enzimas hepáticas

Náuseas e diarreia

Perda de cabelo

Infecção do trato urinário

Inflamação do nariz e da garganta

Gripe

Comichão

Infecções

Diminuição dos glóbulos brancos (neutropenia)

Reações alérgicas moderadas

Ansiedade

Dor nervosa

Diminuição nos glóbulos vermelhos (anemia)

Aumento da pressão sanguínea

Erupção cutânea

Dor musculoesquelética

Efeitos colaterais menos frequentes (que afetam menos de 1 pessoa em 100)

Diminuição das plaquetas no sangue (trombocitopenia)

Neuropatia periférica

 

Avaliação antes do tratamento

Antes de começar Aubagio, você deve fazer exames de sangue para medir a contagem de células sanguíneas e verificar a função hepática. A pressão sanguínea também será verificada.

 

Como Aubagio não deve ser tomado durante a gravidez, as mulheres em idade fértil podem receber um teste de gravidez.

 

Avaliação durante o tratamento

Uma vez que você iniciou o tratamento, você terá exames de sangue para monitorar a função hepática, geralmente a cada 2 semanas durante os primeiros 6 meses e todas as 8 semanas depois. A pressão arterial e a contagem de células sanguíneas também serão monitoradas periodicamente durante o tratamento.

Como funciona o Aubagio?

O mecanismo de ação de Aubagio não é completamente compreendido, mas pensa-se que o principal efeito é impedir que várias células imunes se multipliquem. Isso resulta em números mais baixos de células B e células T, dois tipos de glóbulos brancos envolvidos no dano associado à EM.

 

Pesquisa Aubagio - Quais são os resultados até agora?

Três estudos principais forneceram a evidência para apoiar a aprovação de Aubagio para esclerose múltipla:

 

TEMSO - Aubagio comparado ao placebo

TEMSO foi um estudo duplo-cego de dois anos com 1088 pessoas com EMRR, comparando duas doses de Aubagio com placebo. Em comparação com o placebo, a droga reduziu o número de recidivas em um ano em 31%. A dose mais alta também reduziu a progressão da incapacidade em 29,8% em comparação com o placebo.

 

TOWER - Aubagio comparado ao placebo

A TOWER testou duas doses diferentes de Aubagio ou placebo durante pelo menos 48 semanas em 1169 pessoas com EMRR. Em comparação com o placebo, a dose mais elevada reduziu o número de recidivas em um ano em 36%. A dose mais elevada de Aubagio reduziu o risco de progressão da incapacidade em 31,5%.

 

TENERE - Aubagio em comparação com Rebif

Este estudo comparou duas doses de Aubagio com Rebif (interferão beta 1a) em 324 pessoas ao longo de dois anos. A principal medida do estudo foi o momento de primeira recaída ou interrupção do tratamento por qualquer motivo. Não houve diferença nessa medida entre a dose de Aubagio ou Rebif. O número de recidivas em um ano foi aproximadamente o mesmo para o Rebif e a dose mais alta de Aubagio.

Programa de Atendimento ao Paciente de Aubagio:

Em Sintonia – Sanofi Genzyme

0800 746 8664

Programa Viva

Experiência do paciente

Algumas Amiga Múltiplas nos contaram como é tomar o Aubagio diariamente. Confira e, se você também utiliza essa medicação, deixe o seu depoimento nos comentários que é bem importante para quem vai começar a usar o diariamente conhecer outras experiências: 


“Estou a 3 meses até o momento está sendo ótimo maravilhoso, tanto no controle como emocionalmente. Efeitos colaterais nenhum. O acesso foi por processo judicial, depois de concedido está tranquilamente. Como este medicamento atual não é injetável, a auto estima melhorou 100%. Não me lembro que tenho esclerose”. Manoela Ribeiro – 30 anos – Diagnosticada em 2008, tomou Copaxone e Avonex antes de Aubagio

“De efeito colateral o meu colesterol ruim aumentou e meu cabelo começou a ficar mais ralo. Não foi tão fácil ter acesso ao Aubagio, pois tive que entrar na justiça e mesmo já recebendo o remédio, o governo do Distrito Federal fica questionando se eu realmente preciso tomar esse remédio.” Paciente que preferiu não ser identificada

Fonte: MS Trust

Fonte: Redação AME - Amigos Múltiplos pela Esclerose

Tags: aubagio , esclerose múltipla , sus , teriflunomida , tratamento

mail link